Gabinete da Capitã Cloroquina ataca Luana Araújo: ‘Farsante’

Uma auxiliar direta da médica Mayra Pinheiro no Ministério da Saúde passou a usar o mesmo canal de WhatsApp em que divulga ações da pasta a jornalistas para propagar ataques contra a infectologista Luana Araújo, que prestou depoimento na CPI da Pandemia na semana passada. E com direito a uma insinuação sexista.

A assessora da secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, que ficou conhecida como Capitã Cloroquina pela defesa do medicamento contra a Covid-19, espalhou aos seus contatos uma mensagem com um pedido para que “por favor, divulguem essa verdade, ajudem a desmascarar essa farsante imposta pela mídia criminosa!!!”.

O texto ironiza o currículo de Luana, infectologista formada pela UFRJ e mestra em saúde pública pela universidade Johns Hopkins que foi escolhida pelo ministro Marcelo Queiroga no mês passado para comandar a Secretaria Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19, mas dispensada dias depois de ter a nomeação barrada pelo Palácio do Planalto.

A mensagem da auxiliar de Mayra diz, entre outras coisas, que “a nova sumidade em Covid-19 eleita pela mídia e bajulada pela escória do Senado Federal” é cientista “com zero trabalhos publicados” e pesquisadora “sem currículo no Lattes”.

“Bonita, bem articulada, arrogante e lacradora. Se fosse os anos 90, seria capa da próxima Playboy. Como estamos no século XXI, será a próxima candidata do PSOL”, diz a servidora do Ministério da Saúde

Procurada pelo Radar, a assessora do Ministério da Saúde disse acreditar que qualquer opinião e ou “repost” nos seus perfis pessoais, ou mesmo por WhatsApp, “representam tão somente opiniões pessoais minhas, sobre os mais variados assuntos, incluindo política”. “Não há o que comentar”, finalizou.

A médica infectologista Luana Araújo durante depoimento à CPI da Pandemia –Jefferson Rudy/Ag. Senado

Ultimas notícias

Castro, Witzel e Martha Rocha trocam acusações por mortes e vacina no Rio

No dia em que o Brasil ultrapassou a marca de 500 mil mortos por Covid-19, três políticos do Rio de Janeiro bateram boca nas...

Clássicos serão excluídos da biblioteca da Fundação Palmares

Em 1933, os nazistas queimaram montanhas de livros em praças da Alemanha. Entre os desafetos do regime de Adolf Hitler estavam autores como Bertolt...

500 mil mortos e o silêncio do presidente

Quinhentos mil mortos por Covid-19. Silêncio. Comedimento. Reticência. Sigilo. Taciturnidade. Placitude. Indiferença. Boca-de-siri. Aglossia. Sopor. Mudez. Moderação. Moderação? Logo o presidente? Enquanto o país precisava...

Empresários “lançam” Sergio Moro como a candidato a presidente

Um grupo de empresários do Paraná prepara uma campanha em favor da candidatura do ex-ministro da Justiça Sergio Moro à Presidência da República. Segundo...