Governos têm de funcionar

Passada a eleição municipal e empossados os escolhidos, começa a corrida pela vaga de Jair Bolsonaro. Competição da qual participa o próprio, muito disposto a suceder a ele mesmo. As municipais são nossas “mid­term”. Nos Estados Unidos, elas elegem todos os deputados, uma parte dos senadores e dos governadores. Aqui, todos os prefeitos e vereadores. O ponto médio do período de quatro anos é a largada para a eleição seguinte.

O universo da política gira sempre em torno de eleições. Daí haver certa ingenuidade (ou malandragem) quando se diz ao governante, nos diversos níveis, “desça do palanque e governe”. Mais honesto seria admi­tir: quem desce do palanque está arriscado a enfraquecer-se. Pior. Dada a quase impossibilidade, aqui, de o eleito trazer com ele a maioria parlamentar, se descer do palanque, aumenta o risco de ser derrubado.

Quem desce do palanque não governa, ou enfrenta imensas dificuldades, inclusive porque a periodicidade e a assiduidade das eleições exigem o reabastecimento permanente e atento da expectativa de poder, o que pede ao político alimentar uma projeção de futuro. Isso é mais fácil para quem está na oposição. Pois a pergunta “se está dizendo que vai fazer, por que não fez ainda?” vive exposta na prateleira do supermercado mercadológico eleitoral.

“Bolsonaro tem duas frentes principais: a vacinação e o suporte econômico aos vulneráveis”

É sempre possível, claro, dizer que não fez ainda porque não deu tempo, porque pegou a situação com muitos problemas e precisa de mais quatro anos para completar a obra. Para esse discurso colar, depende de algumas coisas, duas delas muito importantes: a vida dos eleitores estar algo confortável e haver operadores eficientes empenhados na construção da narrativa “as alternativas não são boas, com elas a coisa poderia estar muito pior”.

Mas, regra geral, quem carrega a tocha da esperança é a oposição, então o governo precisa estar sempre mostrando serviço e com uma defesa bem articulada. Para fazer do presente a ponte da esperança de um futuro mais bonito. No caso de agora, Bolsonaro precisa, em 2021, mostrar serviço nas suas duas frentes principais: a vacinação e o suporte econômico aos mais vulneráveis na pandemia. Sem isso, será alvo fácil em 2022.

Todos dizem que é provável termos vacinas em grande quantidade a partir ainda deste semestre, e que isso é certo para o próximo. Se acontecer, colaborará para “retomar a retomada” econômica (até o governo já prevê retração neste começo de ano). O que pode fazer o povo chegar à eleição com um certo alívio. Se a turma estiver vacinada e a economia crescendo, o candidato a continuar terá credibilidade para falar de um futuro melhor.

Também por isso a vitória de Arthur Lira (PP-AL) foi tão estratégica. Permite a Bolsonaro atravessar esses meses mais delicados sem estar ameaçado pela guilhotina do impeachment. Se desse Baleia Rossi (MDB-SP), apesar de todas as declarações apaziguadoras, já se estaria armando o cadafalso habitual no Brasil. Mas, vamos repetir, o governo precisa funcionar. Nada, ou quase nada (na política o “quase” é importante), pode substituir isso.

Publicado em VEJA de 17 de fevereiro de 2021, edição nº 2725

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

‘Estamos na mesma página que EUA em relação ao clima’, diz Ernesto Araújo

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, que já havia defendido que as relações entre Brasil e Estados Unidos iam muito bem, afirmou nesta...

Dividido, DEM inclui até neutralidade em seu leque de opções para 2022

O DEM colocou o nome de Luiz Henrique Mandetta na rua, com carta branca para o ex-ministro da Saúde articular uma possível candidatura à...

Pesquisa: a diferença entre homens e mulheres na hora de avaliar Bolsonaro

Há uma diferença numericamente bem perceptível entre homens e mulheres na hora de avaliar o governo Jair Bolsonaro e de manifestar a intenção de...

O reverso da diplomacia

Editorial de O Estado de S. Paulo (5/3/2021) Em mais um revés da diplomacia do governo, o candidato brasileiro ao comando da Organização da Aviação...

Da Bailarina da Morte ao Regente da Morte, ou da espanhola a Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro soltou mais uma de suas frases antológicas, daquelas que ficarão para história pelo lado ruim, obviamente, quando os historiadores forem...