Justiça afasta prefeito de Itatiaia (RJ) por suspeitas de corrupção

A Justiça do Rio determinou o afastamento do prefeito do município de Itatiaia (RJ), Imberê Moreira Alves, do seu chefe de gabinete e de três secretários municipais envolvidos em suposto esquema de corrupção. O pedido foi feito pelo Ministério Público do estado (MPRJ), que deflagrou, nesta terça-feira (8), a segunda fase da Operação Apanthropia, que investiga atos de improbidade administrativa ligados a ações no combate à covid-19 no município.

As ordens foram expedidas pela Vara Única de Itatiaia, que também expediu mandados de busca e apreensão em endereços ligados ao prefeito e nos gabinetes dos demais agentes públicos, bem como ordem de bloqueio de bens dos investigados.

A primeira fase da operação Apanthropia foi realizada em abril deste ano e prendeu o então secretário de Saúde de Itatiaia, Marcus Vinicius Rebello Gomes, e outros quatro acusados de integrarem uma organização criminosa responsável por lesar o Erário em um contrato para fornecimento de equipamentos de proteção individual (EPI’s). Os itens de combate à covid-19 foram comprados pela administração municipal, causando um prejuízo aproximado de R$ 3 milhões, decorrente de sobrepreço, superfaturamento e ausência de entrega dos bens pagos.

Ainda naquela primeira fase, o MP conseguiu suspender na Justiça outros contratos relacionados à Secretaria de Saúde de Itatiaia, em razão de inúmeros indícios de fraudes. O MP estima que tenham sido evitados danos ao Erário no valor aproximado de R$ 25 milhões.

Com base nas informações apuradas no inquérito civil, foi ajuizada uma Ação Civil Pública (ACP) por atos de improbidade administrativa. Além da perda dos cargos, a ACP também requer a condenação dos réus pela prática de atos de improbidade administrativa, impondo-lhes sanções como a perda dos bens e valores acrescidos ilicitamente aos seus patrimônios, ressarcimento integral dos danos causados ao Erário, pagamento de danos morais coletivos em valor não inferior a R$ 10 milhões, suspensão dos direitos políticos, pagamento de multa civil e proibição de contratar com o Poder Público.

A Vara Única de Itatiaia decretou a indisponibilidade de bens dos nove réus, no valor da multa civil requerida, de modo a reparar parte do prejuízo causado pela organização criminosa aos cofres públicos.

A prefeitura de Itatiaia foi procurada para se manifestar sobre a operação, mas ainda não se pronunciou.

Com Agência Brasil

Ultimas notícias

Criador do antívirus McAffe é encontrado morto em prisão de Barcelona

John McAfee, criador do programa de antivírus para computadores que leva seu sobrenome, foi encontrado morto nesta quarta-feira, 23, em uma cela em Barcelona,...

‘Governo vai desmoronar’, diz Aziz às vésperas de depoimento sobre Covaxin

Presidente da CPI da Pandemia, o senador Omar Aziz (PSD-AM) disse a interlocutores estar convicto de que a comissão de inquérito chegou enfim a...

Mudanças climáticas farão milhões de vítimas, diz relatório da ONU

Um esboço de um relatório do Painel Intergovernamental sobre as Mudanças Climáticas (IPCC), um órgão de caráter consultivo da Organização das Nações Unidas para...

Um tiro no Planalto

De duas, uma: ou o Palácio do Planalto tem uma história muito bem contada e comprovada para desmontar a denúncia do deputado Luís Miranda...

Deputado que alertou Bolsonaro sobre Covaxin terá proteção da CPI

Após as entrevistas do deputado federal Luis Miranda (DEM-DF) sobre o alerta que ele e seu irmão fizeram ao presidente Jair Bolsonaro sobre suspeitas...