Lula talvez não vá

A recuperação da condição de elegibilidade do ex-presidente Luiz Inácio da Silva devido à decisão do ministro Edson Fachin de anular as decisões relativas a ele tomadas pelo foro de Curitiba e que lhe renderam duas condenações colegiadas de Justiça, levaram o mundo político a concluir que Lula será automaticamente candidato à Presidência da República em 2022.

À primeira vista é uma interpretação correta, mas ao mesmo tempo suscita ponderações no sentido de que talvez seja precipitada. Antes de bater esse martelo o ex-presidente precisará examinar condições objetivas e subjetivas sobre o custo e o benefício de entrar numa disputa por um terceiro mandato.

A favor dele há as pesquisas de opinião que o colocam hoje numa situação potencialmente favorável em relação à candidatura à reeleição do presidente Jair Bolsonaro. Lula não apenas não perdeu como recuperou prestígio junto ao eleitorado.

Mas contra ele há muitos fatores. O principal deles é o de concorrer a uma eleição correndo o risco de perder tendo já cumprido dois mandatos de presidente e saído do cargo com 80% de aprovação popular. Depois disso, no entanto, colheu uma rejeição do público que rivaliza com a de Bolsonaro.

Além disso, já não é visto no campo da esquerda com a mesma reverência, seu partido, o PT, não tem mais a estrutura nem o dinheiro que já teve, não conta com a mítica petista de boa governança e lisura nos procedimentos políticos, fora o fato de o Brasil que se proporia a governar é um país um condições muito mais desfavoráveis que aquelas encontradas quando da primeira eleição.

Nessa balança de perdas e ganhos, pesam mais os riscos que os caminhos seguros. Embora a decisão de Fachin não signifique absolvição muito menos inocência, pois não tratou do mérito das acusações, mas de aspectos jurídicos dos processos, para Lula talvez baste a impressão de que os juízes (foram vários além de Sergio Moro) que o julgaram erraram. Talvez faça a conta de que seja melhor assegurar esse papel de injustiçado na história do que arriscar-se a encerrar a carreira como derrotado.

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

TCU pede que Lewandowski reveja decisão que beneficiou Joesley e JBS

O Tribunal de Contas da União (TCU) pediu ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski que reconsidere duas decisões tomadas por ele...

Centrão ou Guedes: meta de Bolsonaro é não escolher entre um dos lados

Acossado pela pandemia de Covid-19, a crise econômica e a queda de popularidade, o presidente Jair Bolsonaro terá de arbitrar uma disputa entre dois...

A recidiva

Editorial de O Estado de S. Paulo (17/4/2021) O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, por 8 votos a 3, anular as condenações impostas ao ex-presidente...

Secretaria de Saúde de São Paulo acusa parlamentares de invadirem hospital

A Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo afirmou, em publicação nas redes sociais, que o deputado federal Kim Kataguiri (DEM-SP) e os deputados...

Não basta a China (por Cristovam Buarque)

No excelente livro “Brasil, construtor de ruínas: Um olhar sobre o país, de Lula a Bolsonaro” a jornalista escritora Eliane Blum escreveu que: “Como...