Mais que uma crise, o affair Pazuello é uma oportunidade

O ministro-general Braga Netto e o comandante do Exército, general Paulo Sérgio Nogueira, têm a missão de fazer o presidente Bolsonaro entender que é imperativo punir o general-delinquente Eduardo Pazuello, sob pena de abrir a porteira para a quebra da hierarquia nas Forças Armadas.

É uma missão duplamente impossível.

Primeiro, porque, como sabe qualquer um que não tenha chegado de Marte ontem, é impossível fazer Bolsonaro entender o que ele não quer entender. Segundo, porque quebrar a hierarquia nas Forças Armadas é tudo o que Bolsonaro quer: é com isso que ele conta para uma eventual tentativa de golpe de Estado no ano que vem.

É hora de o Alto Comando dar um passo atrás e olhar a crise por outro ângulo. Como uma oportunidade.

Desde que tomou posse, Bolsonaro não faz outra coisa além de tentar submeter o Exército e usá-lo para fins políticos. Até agora, ganhou todas as paradas, e, nos últimos 30 anos, a imagem das Forças Armadas nunca esteve tão enlameada. Há tempos que o Exército precisa demonstrar que é uma instituição de Estado e não um mero braço do Bolsonarismo — e esta é a melhor chance até agora.

Se Paulo Sérgio for em frente e punir Pazuello sem a autorização de Bolsonaro, é praticamente impossível que o presidente tenha a coragem de determinar por escrito (como ensinou Pazuello, “coisa de Internet” não vale).

E, se o fizer, corre o risco de Paulo Sérgio se recusar a cumprir a ordem por ser ela absurda — e, como vive dizendo o presidente, “ordem absurda não se cumpre”. Bolsonaro não pode pagar para ver, e vai ter que engolir a raiva.

Se as Forças Armadas querem voltar a ser respeitadas, a hora é essa.

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

Castro, Witzel e Martha Rocha trocam acusações por mortes e vacina no Rio

No dia em que o Brasil ultrapassou a marca de 500 mil mortos por Covid-19, três políticos do Rio de Janeiro bateram boca nas...

Clássicos serão excluídos da biblioteca da Fundação Palmares

Em 1933, os nazistas queimaram montanhas de livros em praças da Alemanha. Entre os desafetos do regime de Adolf Hitler estavam autores como Bertolt...

500 mil mortos e o silêncio do presidente

Quinhentos mil mortos por Covid-19. Silêncio. Comedimento. Reticência. Sigilo. Taciturnidade. Placitude. Indiferença. Boca-de-siri. Aglossia. Sopor. Mudez. Moderação. Moderação? Logo o presidente? Enquanto o país precisava...

Empresários “lançam” Sergio Moro como a candidato a presidente

Um grupo de empresários do Paraná prepara uma campanha em favor da candidatura do ex-ministro da Justiça Sergio Moro à Presidência da República. Segundo...