Mas não pode chamar de genocida

Tem uma porção de gente sendo processada, presa ou intimidada por chamar Jair Bolsonaro ou sua política de saúde de “genocida”.

A Polícia Militar do Distrito Federal prendeu cinco rapazes. A Polícia Civil intimou Felipe Neto. Até o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, já foi processado. E tem mais um monte de gente de que a gente nem sabe.

No Brasil de Bolsonaro, é proibido chamar Bolsonaro de genocida.

Bolsonaro minimizou os riscos da pandemia, levando a população a correr riscos desnecessários, e fez pouco das mortes. Mas não pode chamar Bolsonaro de genocida.

Bolsonaro recusou-se a preparar um plano nacional de combate à pandemia, e demorou um tempo inacreditável para preparar um pacote de auxílio à população carente. Mas não pode chamar de genocida.

Bolsonaro fez e faz campanha contra o uso de máscaras, estimula aglomerações, recomenda o uso de medicamentos inúteis e perigosos. Mas não pode chamar de genocida.

Bolsonaro vetou lei que garantia fornecimento de água a indígenas. Mas não pode chamar de genocida.

Bolsonaro escorraçou Mandetta porque ele cumpria as recomendações científicas, e escorraçou Teich porque ele se recusou a recomendar medicamentos perigosos. Manteve Pazuello porque ele cumpria sua determinação de não seguir as recomendações científicas. Recusou-se a nomear Ludhmilla porque ela pretendia cumpri-las. Nomeou Queiroga porque ele vai ser outro Pazulello. Mas não pode chamar de genocida.

Continua após a publicidade

Bolsonaro comprou poucos testes e esqueceu sete milhões deles (que caducaram) num galpão. Põe em dúvida, sem fundamento, a quantidade de óbitos por Covid dela decorrentes. Mas não pode chamar de genocida.

Bolsonaro se negou a comprar vacinas em agosto. Fez campanha contra a vacina. Recusou-se a se vacinar. Pressionou a Anvisa para negar registro à Coronavac. Mas não pode chamar de genocida.

Bolsonaro se negou a comprar seringas e agulhas em agosto. Quando Pazuello as contratou, Bolsonaro proibiu a compra. Tentou impedir o Butantan de fornecer vacinas diretamente para os estados. Mas não pode chamar de genocida.

Bolsonaro deixou faltar oxigênio nos hospitais apesar de saber que a falta era iminente, depois mandou o oxigênio do Amazonas para o Amapá. Mas não pode chamar de genocida.

Bolsonaro entrou com a ação no Supremo Tribunal Federal para impedir governadores de tomar medidas que salvarão vidas. Mas não pode chamar de genocida.

O Tribunal Penal Internacional, em Haia, investiga Bolsonaro por genocídio. Mas não pode chamar de genocida.

Não pode chamar Bolsonaro de genocida, porque senão ele processa por crime contra a honra. Bolsonaro, como se sabe, é um homem honrado — são, todos eles, todos homens honrados.

Mas se for para escolher um adjetivo para definir o comportamento de Bolsonaro, não sobra nada além de…

Genocida.

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

CPI-zinha cara

Não é atribuição do Congresso fiscalizar governadores e prefeitos, não é possível tratar 27 governadores e 5.570 prefeitos como se fossem uma coisa só,...

Em meio a tensões envolvendo Ucrânia, Biden propõe cúpula a Putin

Em telefonema nesta terça-feira, 13, o presidente americano, Joe Biden, propôs ao presidente russo, Vladimir Putin, a realização de uma cúpula bilateral nos próximos...

Pentágono confirma veracidade de vídeos sobre OVNI na costa da Califórnia

O Pentágono confirmou nesta terça-feira, 13, a veracidade de vídeos que mostram objetos voadores não identificados zumbindo sobre navios de guerra da marinha americana...

Senador pede explicações sobre campanhas publicitárias contra Covid-19

O senador Fabiano Contarato (Rede-ES) protocolou um pedido de informações dirigido ao ministro das Comunicações, Fábio Faria, sobre as campanhas publicitárias desenvolvidas pela pasta...

A ficha da tropa de choque de Bolsonaro contra a CPI da Covid-19

A tropa de choque do presidente Jair Bolsonaro para tentar ao menos minimizar os estragos da CPI da Covid-19, que deverá ser instalada pelo...