Militares x centrão (por Helena Chagas)

Todo mundo já viu aquele vídeo da campanha de Jair Bolsonaro em que o general Augusto Heleno, com certa desafinação e substituindo a palavra “ladrão”, canta a marchinha: “se gritar pega Centrão/Não fica um meu irmão..”. Já no governo, o general e outros militares externaram desagrado com a barganha parlamentar. Mas as águas rolaram e o próprio comandante em chefe das Forças Armadas mudou de discurso e foi se aproximando do inimigo. Com a colaboração de outro general, Luiz Eduardo Ramos, na articulação política, jogou recentemente todo o peso de seu governo para ajudar a instalar os dirigentes do Centrão no comando do Congresso.

Jair Bolsonaro terá lá seus motivos – e evitar o impeachment e proteger os filhos estão entre os principais deles. Mas Bolsonaro mudar de ideia e dizer o que não disse, com a maior cara de pau, não é novidade nenhuma. Entre contradições, lorotas, invencionices e brincadeiras grosseiras quase diárias, já se completaram mais de dois anos. A pergunta que não quer calar agora é: e os militares? Também mudaram de ideia sobre o Centrão? Refizeram conceitos sobre corrupção, chantagem, etc?

Alguns, sobretudo os que têm gabinete no Planalto, parecem ter mudado seus pontos de vista. Ramos, que articulou com Arthur Lira o tempo todo, e Braga Netto, que da Casa Civil usou a caneta sempre que necessário, com certeza mudaram. Heleno, que entrou mudo e saiu calado das eleições no Legislativo, também pode ter se dobrado às novas companhias. Não se sabe bem, porém, o que pessoal da ativa e os integrantes do Alto Comando estão pensando do festival de fisiologismo que marca a transição para essa nova era do governo Bolsonaro.

Aí que está. Mesmo entre os militares palacianos começa a se espalhar um clima de mal estar em relação à avidez do Centrão rumo aos ministérios e cargos e, sobretudo, à aparente receptividade com que o presidente da República os prometeu. Se for cumprido tudo o que foi acertado com Arthur Lira, Rodrigo Pacheco e seus eleitores, não restará pedra sobre pedra em fatia considerável da administração federal – que, ora que coincidência!, está hoje nas mãos dos militares.

O ambiente está tenso. Teme-se que ministros fardados – como o almirante Bento Albuquerque, das Minas e Energia, por exemplo – sejam demitidos para dar lugar a políticos indicados pelo Centrão. Segundo as más línguas, o bloco está de olho – ingratidão suprema – até no cargo do próprio Ramos no Planalto. A Casa Civil do general Braga Netto, com sua coleção de canetas para nomear, é também um sonho de consumo do pessoal – que, por sinal, atribui aos generais do entorno presidencial notícias de que a reforma ministerial seria feita “a conta-gotas”, no ritmo das votações dos projetos governistas.

Pode ser que sim, pode ser que não. A certeza é que a coisa vai ficar feia quando começarem a ser desalojados os seis mil militares hoje ocupantes de cargos civis de confiança, os DAS, no segundo e terceiro escalões. E também os que estão nas cobiçadas diretorias de estatais. Aliás, talvez a única convergência atual entre ala militar e Centrão seja o desejo de empurrar com a barriga o programa de privatizações de Paulo Guedes. Ninguém quer vender a galinha dos ovos de ouro.

No resto, o que se avizinha a partir de agora é uma briga de foice no governo, baseada numa lei simples da Física. Assim como dois corpos não podem ocupar o mesmo espaço, um militar e um indicado do Centrão não podem ocupar o mesmo cargo.

 

Helena Chagas é jornalista

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

Rito processual torna improvável que Lula vire ‘ficha suja’ antes de 2022

As ações contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) que foram enviadas nesta segunda-feira, 8, para a Justiça Federal de Brasília teriam...

‘Vai mexer com todas as peças do tabuleiro’, diz Boulos sobre Lula

Ex-candidato a presidente pelo PSOL, o líder do movimento sem-teto Guilherme Boulos afirmou que a decisão do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal...

“Como teve lugar isso que nos aconteceu?”, pergunta Idelber Avelar

Em junho de 2013, multidões irritadas foram às ruas protestar contra um irrisório aumento no preço da passagem dos transportes públicos. Logo ficou claro...

Como ficaria a eleição presidencial com a entrada de Lula na disputa

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) teria 18% das intenções de votos e perderia apenas para o presidente Jair Bolsonaro, que tem...

Com Covid-19 em alta, nenhum estado consegue a taxa mínima de isolamento

Em meio ao avanço da pandemia da Covid-19 pelo país, todos os estados brasileiros estão longe da taxa mínima de isolamento social de 70%...