‘Mind the gap’: não caia no buraco

Roberto Castello Branco, ex-presidente da Petrobras, surpreendeu analistas do mercado financeiro aparecendo em uma reunião envergando uma camiseta com os dizeres “mind the gap”. É uma expressão usada no metrô de Londres para alertar os passageiros sobre o vão entre o trem e a plataforma (gap pode significar vão, lacuna, brecha, defasagem, distância, diferença).

Castello Branco explicou que a expressão era seu lema para lembrar a sua equipe que não basta a ser competente: a Petrobras deveria ser tão boa quanto as melhores empresas petróleo do mundo. Com efeito, a empresa apresentou lucro recorde no último trimestre, mas é improvável que Castello Branco tenha escolhido seu vestuário apenas para tecer elogios a si mesmo e a seus auxiliares. Há hipóteses mais interessantes.

Como Bolsonaro interveio na Petrobras com o propósito escancarado de segurar preços, Castello pode estar fazendo um alerta ao presidente para ter “cuidado com a defasagem”: apesar dos recentes aumentos, o preço do combustível vendido pela Petrobras continua defasado em relação aos patamares internacionais. E preços defasados, que fizeram a Petrobras perder bilhões, foram um dos fatores que levaram à queda de Dilma.

Castello Branco também pode ter feito um alerta a respeito da distância entre o que o presidente combina e o que faz. Bolsonaro prometeu realizar uma administração liberal, mas fez tudo menos isso. E acertou com Castello que a Petrobras teria uma administração estritamente profissional e técnica, mas o demitiu justamente porque foi isso que ele fez. (O alerta aqui seria mais para o novo presidente, general Joaquim Silva e Luna, do que para Guedes, que, a esta altura, já está cansado de saber que Bolsonaro não cumpre a palavra.)

Por fim, “mind the gap” pode ter um significado mais próximo do original. O aviso no metrô significa basicamente, “não caia no buraco”. Guedes já caiu em vários buracos criados por Bolsonaro, Castello Branco caiu em um buraco definitivo.

O general Silva e Luna ainda não caiu em nenhum buraco, mas todo mundo sabe o que o espera. Se, como Pazuello, obedecer ao que o chefe mandar (após reclamar dos preços, Bolsonaro anunciou que a Petrobras deve ter “função social”), se desmoraliza. Se, como Mandetta, fizer o que deve ser feito, se desgasta e cai.

Ou seja, a chance de Joaquim Silva e Luna cair no buraco é 100%.

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

Flávio Bolsonaro representa contra Kajuru no Conselho de Ética do Senado

O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) protocolou nesta segunda-feira, 12, uma representação contra o também senador Jorge Kajuru (Cidadania-GO) no Conselho de Ética da Casa....

Nunes Marques é sorteado relator de impeachment de Alexandre de Moraes

O ministro Nunes Marques, do STF (Supremo Tribunal Federal), foi sorteado nesta segunda-feira, 12, relator da ação protocolada pelo senador Jorge Kajuru (Cidadania-GO), que...

Atirador deixa ao menos um morto em escola nos EUA

Uma pessoa morreu e outra, um policial, ficou ferida após a ação de um atirador em uma escola em Knoxville, no estado americano do...

Bolsonarismo, conservadorismo e liberalismo (Por Denis Lerrer Rosenfield)

Jair Bolsonaro, em sua eleição, conseguiu encarnar a força do antilulopetismo, congregando em torno de si três correntes de ideias que, naquele então, apareceram...

Conversinha impublicável

A conversa telefônica entre o presidente Bolsonaro e o senador Jorge Kajuru é espantosa por muitos motivos. Primeiro, claro, pelo teor. O que se ouve...