Na CPI, Queiroga compara Bolsonaro a tabagista que morre fumando

Reconvocado a depor na CPI da Pandemia nesta terça-feira, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, está sendo insistentemente questionado sobre a aversão do presidente Jair Bolsonaro, seu chefe, a medidas não-farmacológicas, como o uso de máscara e distanciamento social.

Queiroga, inclusive, teve que assistir a vídeos compilados pela equipe do relator da comissão, o senador Renan Calheiros, em que Bolsonaro protagoniza aglomerações, sempre sem máscara. Restou ao ministro dizer que tem tido a “determinação pessoal” em recomendar as medidas de proteção para todos os brasileiros, sem exceção. “Eu sou ministro da Saúde, eu não sou o censor do presidente da República”, declarou.

Depois de confirmar que orienta Bolsonaro a seguir as orientações sanitárias, o ministro foi indagado por Calheiros se o presidente não as segue e respondeu, de forma resignada: “as imagens elas falam por si só”.

Minutos depois, novamente instado a falar sobre as medidas não-farmacológicas, Queiroga recorreu à própria especialidade como médico, fazendo uma comparação indireta do presidente a um paciente tabagista que continua a fumar até morrer.

“É necessário que haja uma adesão das pessoas. Senador, como médico, eu tenho mais de 33 anos de formado. Tem paciente, como cardiologista, que eu já orientei o sujeito a parar de fumar de maneira reiterada. E o camarada não deixa de fumar. Ele morre fumando e eu não abandono ele. Então eu vou ficar insistindo até o final do meu mandato, do meu período de gestão no Ministério da Saúde. Insistirei acerca das medidas não-farmacológicas”, declarou Queiroga, confirmando que tem feito isso com Bolsonaro.

Reforçando que o médico tem obrigação de meios e não de resultados, o ministro argumentou ainda que o compromisso é individual e o benefício é de todos. Até o momento, o presidente parece não ter entendido o recado.

Ultimas notícias

Castro, Witzel e Martha Rocha trocam acusações por mortes e vacina no Rio

No dia em que o Brasil ultrapassou a marca de 500 mil mortos por Covid-19, três políticos do Rio de Janeiro bateram boca nas...

Clássicos serão excluídos da biblioteca da Fundação Palmares

Em 1933, os nazistas queimaram montanhas de livros em praças da Alemanha. Entre os desafetos do regime de Adolf Hitler estavam autores como Bertolt...

500 mil mortos e o silêncio do presidente

Quinhentos mil mortos por Covid-19. Silêncio. Comedimento. Reticência. Sigilo. Taciturnidade. Placitude. Indiferença. Boca-de-siri. Aglossia. Sopor. Mudez. Moderação. Moderação? Logo o presidente? Enquanto o país precisava...

Empresários “lançam” Sergio Moro como a candidato a presidente

Um grupo de empresários do Paraná prepara uma campanha em favor da candidatura do ex-ministro da Justiça Sergio Moro à Presidência da República. Segundo...