O Brasil pode virar o último depósito do vírus no mundo

E o presidente Jair Bolsonaro não perde uma chance de sabotar o combate à pandemia do coronavírus. Nada que surpreenda porque assim tem-se comportado desde que a chamou de “gripezinha”, e em dezembro último, disse que estava no seu “finalzinho”.

Na cerimônia de assinatura de inauguração de um trecho da ferrovia Norte-Sul em São Simão, Goiás, Bolsonaro elogiou os produtores rurais que, segundo ele, não ficaram em casa. E chamou de “covardes” os que fizeram o contrário.

“Vocês [produtores rurais] não ficaram em casa, não se acovardaram. Temos que enfrentar nossos problemas. Chega de frescura, de mimimi, vamos ficar chorando até quando?” – provocou, acompanhado de 4 ministros, 2 deles militares.

E completou:

– Respeitar obviamente os mais idosos, aqueles que têm doenças. Mas onde vai parar o Brasil se nós pararmos?”

Continua após a publicidade

Sem nunca ter parado para valer há mais de um ano, o Brasil está hoje em segundo lugar na lista de países com o maior número de mortos pelo vírus – 259.271 até ontem, sendo 1.910 nas últimas 24 horas. É o terceiro recorde batido em menos de uma semana.

Total de casos? 10.718.630 até ontem, 71.704 em 24 horas. Bolsonaro afirmou que o Brasil é o país que “mais está vacinando” contra o vírus. Ou mentiu ou enganou-se. É o 6º com maior número de doses de vacinas, e o 40º em percentual de vacinados.

Quando ele estimula as pessoas a desrespeitarem medidas de isolamento recomendadas em todas as partes do mundo e aqui adotadas por governadores e prefeitos na iminência de um apocalipse sanitário, estimula a que morram se necessário.

E depois se queixa de ser apontado como tão ou mais perigoso do que o vírus, ou como parceiro do vírus a quem concedeu passe livre para circular. Mas não é o que ele é mesmo pelo que fala, por não usar máscara e encabeçar aglomerações?

Atender às ordens universais do isolamento durante uma pandemia não é “frescura” nem “mimimi”, é cuidar da própria vida porque sem ela a economia também não se recupera. Será possível que Bolsonaro nada tenha aprendido nem esquecido sobre isso?

O mundo olha o Brasil com uma preocupação cada vez maior. Na direção que vai, se nada for feito de mais radical, o Brasil poderá em breve tornar-se o último depósito da Covid no planeta. Quem se arriscará a visitá-lo ou a fazer negócios com os brasileiros?

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

Irã classifica apagão em usina nuclear de Natanz como “ato terrorista”

A usina atômica de Natanz, no Irã, sofreu um blecaute na manhã deste domingo. As autoridades iranianas classificaram o incidente como um ato de...

Grupos religiosos protestam contra decisão do STF sobre cultos e missas

Grupos religiosos fizeram neste domingo um protesto em frente ao Congresso Nacional contra a recente decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de garantir a...

Igreja Católica da Austrália paga indenização milionária a vítima de abuso

Um homem de 58 anos cuja identidade não foi revelada vai receber uma indenização de 1,5 milhão de dólares australianos (cerca de 6,5 milhões...

O que Bolsonaro é, segundo Marta Suplicy

O que disse Marta Suplicy, ex-prefeita de São Paulo, sobre o presidente Jair Bolsonaro em entrevista ao programa  Manhattan Connection, na TV Cultura. https://youtube.com/watch?v=iq_HayFJl30&feature=oembed Mais lidasBrasilBrasilA...

Pandemia não anula a Constituição

Editorial de O Estado de S. Paulo (11/4/2021) Nenhuma circunstância excepcional, nem mesmo a maior crise de saúde em um século, justifica que se ignore...