O ensaio radical (por João Bosco Rabello)

O presidente Bolsonaro ainda resiste ao que parece inevitável: a redução gradual do estilo centralizador e a divisão de um poder que exerce de forma absoluta à frente do governo.

As mudanças ministeriais desta segunda-feira representam uma cartada radical na mesa de jogo. O presidente dobrou a aposta na radicalização depois de ceder espaços entregues sob pressão da piora nos índices de morte por Covid.

A primeira concessão veio após a reabilitação de Lula, que voltou à cena explorando o fracasso do discurso antivacina do governo, e a reivindicação pelo centrão de mudança imediata no ministério da Saúde.

Bolsonaro demitiu Eduardo Pazuello a contragosto, engoliu a formação de um comitê de gestão da pandemia (que tentou vender como iniciativa sua) e, na sequência, precisou se livrar do chanceler Ernesto Araújo. Não fizera concessões em tempo, começou a perder dedos.

No dia 10/3, o Capital Político alertava para a crise que se formava no comando militar a partir da fala em que Bolsonaro chamava o Exército de seu. “Meu Exército não vai para a rua obrigar as pessoas a ficar em casa”, disse então.

Não à toa, na sua lacônica carta de demissão, o então ministro da Defesa, general Fernando Azevedo, sublinhou seu empenho em preservar as Forças Armadas como instituições de Estado. Um compromisso firmado na entrada e reafirmado na saída.

No curso de sua gestão à frente da pasta, Azevedo foi constrangido pelo presidente a demitir militares que sustentam esse fundamento e resistiram nos cargos à pressão por alinhamento das Forças ao governo da hora.

Continua após a publicidade

Bolsonaro não desistirá desse alinhamento como uma garantia para uma saída pessoal em uma crise mais ampla que se avizinha – na saúde, na economia e na política. A demissão de Azevedo, uma aparente demonstração de força, na verdade o enfraqueceu mais.

O ministério “novo” não fortalece o presidente e seu governo. Continua com titulares aquém da dimensão dos cargos, em alguns casos de forma constrangedoramente nítida. E em tensão com a caserna, onde estica mais a corda.

É comum aos governos a cessão de espaço para consolidar alianças políticas, o que preferencialmente, como ensina a história, é melhor fazer antes de começar o mandato. Governos que seguiram esse manual tiveram vida mais longa com menor instabilidade.

Quando a divisão de poder com aliados se dá sob a pressão do desgaste natural do tempo ela é construída com um governo sem poder de barganha suficiente para ser o acionista majoritário da sociedade. Perde efetivamente poder.

No caso de Bolsonaro não só esse processo de concessões a fórceps começa agora, como se dá em cenário dramático de pandemia, mortes, desastre econômico, social e empresarial.

O governo que sonhou governar na extensão de uma campanha de extermínio da política, estimula a insurreição social para justificar uma intervenção militar de aparência constitucional, que o permita governar sem oposição e à revelia dos demais poderes constituídos.

Por ora, foi contido pelo não de um segmento do Estado essencial a esse objetivo, que são as Forças Armadas.

João Bosco Rabello escreve no Capital Político. Ele é jornalista há 40 anos, iniciou sua carreira no extinto Diário de Notícias (RJ), em 1974. Em 1977, transferiu-se para Brasília. Entre 1984 e 1988, foi repórter e coordenador de Política de O Globo, e, em 1989, repórter especial do Jornal do Brasil. Participou de coberturas históricas, como a eleição e morte de Tancredo Neves e a Assembleia Nacional Constituinte. De 1990 a 2013 dirigiu a sucursal de O Estado de S. Paulo, em Brasília. Recentemente, foi assessor especial de comunicação nos ministérios da Defesa e da Segurança Pública

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

Flávio Bolsonaro representa contra Kajuru no Conselho de Ética do Senado

O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) protocolou nesta segunda-feira, 12, uma representação contra o também senador Jorge Kajuru (Cidadania-GO) no Conselho de Ética da Casa....

Nunes Marques é sorteado relator de impeachment de Alexandre de Moraes

O ministro Nunes Marques, do STF (Supremo Tribunal Federal), foi sorteado nesta segunda-feira, 12, relator da ação protocolada pelo senador Jorge Kajuru (Cidadania-GO), que...

Atirador deixa ao menos um morto em escola nos EUA

Uma pessoa morreu e outra, um policial, ficou ferida após a ação de um atirador em uma escola em Knoxville, no estado americano do...

Bolsonarismo, conservadorismo e liberalismo (Por Denis Lerrer Rosenfield)

Jair Bolsonaro, em sua eleição, conseguiu encarnar a força do antilulopetismo, congregando em torno de si três correntes de ideias que, naquele então, apareceram...

Conversinha impublicável

A conversa telefônica entre o presidente Bolsonaro e o senador Jorge Kajuru é espantosa por muitos motivos. Primeiro, claro, pelo teor. O que se ouve...