O mistério dos R$ 22 bilhões cortados do SUS em plena pandemia

O governo vai ficar com os nervos mais expostos na CPI da Pandemia nos próximos dias.

Senadores tentam entender a lógica que deixou o Sistema Único de Saúde, no ano passado, sem aproximadamente R$ 22 bilhões dos créditos extraordinários abertos especificamente para gastos no controle da pandemia.

Em 2020, o Congresso aprovou uma complementação ao Orçamento da União (Emenda 106/2020) para a Saúde. Esses créditos extras somavam R$ 63,7 bilhões.

No entanto, o SUS só recebeu R$ 41,7 bilhões. O governo segurou no caixa — ou “deixou de executar”, na linguagem orçamentária— a diferença (R$ 22 bilhões). Em plena pandemia.

A CPI tenta mapear as consequências práticas desse corte na verba emergencial autorizada pelo Congresso. Há documentos confirmando que uma delas, no segundo semestre, foi a escassez de leitos de terapia intensiva por falta de recursos federais.

Numa espécie de acrobacia orçamentária, o governo transferiu o dinheiro que, inexplicavelmente, deixou de gastar em 2020 para o orçamento da Saúde neste ano.

Resultado: cerca de R$ 20 bilhões foram destinados à compra de vacinas e o SUS acabou com menos de R$ 2 bilhões para financiar todas as suas ações específicas contra a Covid-19 neste ano. Veio, então, a “segunda onda” da crise pandêmica.

No planejamento federal para este ano, não houve reserva de um só centavo para gastos da Saúde em ações de controle da pandemia (item 21C0 na peça orçamentária).

O Orçamento da União só foi aprovado em 25 de março, mas até então o governo não se moveu para corrigir o problema. Nesses primeiros 84 dias do ano foram registradas 96 mil mortes por Covid-19.

Ultimas notícias

Castro, Witzel e Martha Rocha trocam acusações por mortes e vacina no Rio

No dia em que o Brasil ultrapassou a marca de 500 mil mortos por Covid-19, três políticos do Rio de Janeiro bateram boca nas...

Clássicos serão excluídos da biblioteca da Fundação Palmares

Em 1933, os nazistas queimaram montanhas de livros em praças da Alemanha. Entre os desafetos do regime de Adolf Hitler estavam autores como Bertolt...

500 mil mortos e o silêncio do presidente

Quinhentos mil mortos por Covid-19. Silêncio. Comedimento. Reticência. Sigilo. Taciturnidade. Placitude. Indiferença. Boca-de-siri. Aglossia. Sopor. Mudez. Moderação. Moderação? Logo o presidente? Enquanto o país precisava...

Empresários “lançam” Sergio Moro como a candidato a presidente

Um grupo de empresários do Paraná prepara uma campanha em favor da candidatura do ex-ministro da Justiça Sergio Moro à Presidência da República. Segundo...