O que faz Guedes no governo Bolsonaro?

A gestão de Paulo Guedes na Economia é, indiscutivelmente, um fracasso. Guedes não privatizou nada, não vai privatizar nada, a reforma da Previdência já estava encaminhada quando chegou, é quase impossível que consiga fazer reforma administrativa ou tributária (se, por um milagre, as fizer, não serão significativas), nem sequer menciona abertura comercial. Demorou a reagir à Covid e errou, e continua errando, na resposta. Foi desautorizado, atropelado e humilhado por Bolsonaro vezes sem conta.

Agora, Bolsonaro provocou um terremoto no mercado ao demitir o presidente da Petrobras e anunciar que vai “meter o dedo” no setor elétrico. Comenta-se ainda que deve demitir o presidente do Banco do Brasil e alguns dos auxiliares de Guedes no Ministério da Economia. Até em desmembrar o Ministério da Economia se fala. Enquanto o presidente da República o submete à maior humilhação de sua vida, Guedes está em silêncio, escondido em algum buraco.

O que Guedes está esperando para pedir o boné?

Há quem diga que Guedes deve ficar no governo não mais “atacante”, mas como “goleiro”. Isto é, vai “defender” a área econômica de eventuais barbaridades que Bolsonaro possa ainda cometer. Que tipo de pessoa acredita em uma sandice dessas? Guedes não consegue impedir que Bolsonaro nomeie para a Petrobras um general com a missão de segurar o preço do combustível (e fazer coisas ainda piores), vai “defender” o quê?

Banqueiro de sucesso, Guedes, nunca foi convidado a formular políticas públicas, e passou a vida a criticar os economistas que as formulavam. Acreditou que Bolsonaro — o presidente mais antiliberal desde a ditadura — lhe daria a chance de realizar uma agenda liberal e de provar aos pares, ao mundo e a si mesmo o quão genial é.

Errou feio e fracassou miseravelmente, mas, como o jogador de pôquer na maré de azar, não consegue admitir para si mesmo que perdeu, não consegue se levantar da mesa. Em vez de pôr um limite a suas perdas (o que o mercado financeiro chama de stop loss, mas que Guedes, curiosamente, parece desconhecer), e realizar o prejuízo, o ministro segue dobrando a aposta. Até o amargo fim.

Guedes não permanecerá no governo para “defender” o que quer que seja. Permanecerá para fugir do espelho e para fornecer a uma porção de pascácios na Faria Lima o pretexto para apoiar Bolsonaro dizendo-se liberais — quando a palavra que os define é “reacionários”.

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

Rito processual torna improvável que Lula vire ‘ficha suja’ antes de 2022

As ações contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) que foram enviadas nesta segunda-feira, 8, para a Justiça Federal de Brasília teriam...

‘Vai mexer com todas as peças do tabuleiro’, diz Boulos sobre Lula

Ex-candidato a presidente pelo PSOL, o líder do movimento sem-teto Guilherme Boulos afirmou que a decisão do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal...

“Como teve lugar isso que nos aconteceu?”, pergunta Idelber Avelar

Em junho de 2013, multidões irritadas foram às ruas protestar contra um irrisório aumento no preço da passagem dos transportes públicos. Logo ficou claro...

Como ficaria a eleição presidencial com a entrada de Lula na disputa

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) teria 18% das intenções de votos e perderia apenas para o presidente Jair Bolsonaro, que tem...

Com Covid-19 em alta, nenhum estado consegue a taxa mínima de isolamento

Em meio ao avanço da pandemia da Covid-19 pelo país, todos os estados brasileiros estão longe da taxa mínima de isolamento social de 70%...