O show da CPI: “V. Excia. é um oportunista pequeno, sorrateiro”

O debate na CPI da Pandemia tem sido instrutivo em muita coisa. Principalmente, sobre a dificuldade da bancada governista em defender o governo Jair Bolsonaro, que perdeu o controle da maior crise sanitária do século.

Um dos mais persistentes, raramente bem sucedido, é o senador Eduardo Girão, do Podemos do Ceará. Ontem, em reunião reservada houve acordo para não convocar prefeitos. Na sessão aberta ao público, ele surpreendeu ao tentar retomar a discussão:

— Não concordei com o acordo de não olhar para prefeitos…

O presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM) ficou impaciente: – Senador, o seu pedido está indeferido.

– Tá, mas o senhor…

– Não precisa me explicar nada mais não — cortou Aziz. — A sua questão está indeferida.

Quinze minutos depois, Girão voltou ao tema, em tom de desafio: – E os prefeitos, senador Omar Aziz? Como é que não vamos ouvir mesmo os prefeitos de capitais?

Aziz retrucou: – Olha, senador Eduardo Girão, vossa excelência é um oportunista. E oportunista pequeno. Vossa excelência estava lá, escutou o que nós acordamos…

Girão persistiu: – Eu não fiz esse acordo.

Aziz reagiu: — Desde o primeiro momento, toda a sociedade brasileira, que tem inteligência, sabe que vossa excelência está aqui com um único objetivo: é que a gente não investigue por que a gente não comprou vacina. E vossa excelência, que não entende patavina de saúde, quer impor a cloroquina na cabeça da população. Vossa excelência, repito, é um oportunista. É oportunista, porque lá…

Continua após a publicidade

O líder do governo, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) tentou intervir: — Calma, presidente!

– Não. Calma, não — continuou Aziz, voltando-se para Girão: – Veja bem, a coisa que eu mais repeti lá [na reunião reservada] foi: ‘O senador Eduardo Girão depois vai querer tirar proveito disso’.

Se voltou para o líder do governo: — Falei ou não falei isso?

Girão: – Eu respeito o senhor, eu respeito o senhor. Agora…

Aziz: – Vossa excelência não respeita ninguém. Age sorrateiramente. Vossa excelência não respeita ninguém.

Girão: – O senhor está sendo pressionado pela população brasileira, que quer toda a verdade. O senhor só quer uma parte da verdade.

Aziz: – Vossa excelência não quer verdade. Volto a repetir é um oportunista…

Girão: – O senhor está nessa presidência, eu sou…

Aziz: – Vossa excelência não me diga que é meu amigo, porque não é meu amigo, não. Vossa excelência é sorrateiro.

Girão recolheu-se em lamento: – Eu queria fazer uma coisa justa, independente. Eu não quero imunizar ninguém! Não quero imunizar ninguém!

E a sessão da CPI seguiu em clima de tumulto no recinto, como costumam registrar os taquígrafos do Congresso.

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

Voto impresso é “jaguatirica com cobra d’água”

“A mistura, a compatibilização do sistema de urna eletrônica que temos com o sistema de impressão de voto, poderia ser uma cruza de jaguatirica...

Grupo de senadores planeja esvaziar depoimentos de médicos pró-cloroquina

Os senadores da CPI da Pandemia que se posicionam contra o presidente Jair Bolsonaro, integrantes do grupo conhecido como G7, se articulam há alguns...

O conselheiro: por que Bolsonaro dá trânsito livre a Malafaia no Planalto

Em meio a uma rodada de insultos durante a CPI da Covid-19 no Senado, veio à baila o nome do pastor carioca Silas Malafaia,...

Datas: Carlos Langoni, Raul de Souza e Marco Maciel

A modernização do Banco Central brasileiro deve muito ao economista Carlos Langoni. Em 1979, então diretor da instituição, ele ajudou a elaborar a Selic,...

Uma ponta não fecha

Quem se debruça agora sobre a condução que Jair Bolsonaro vem dando aos desafios da pandemia conclui que o próprio presidente melhorou as condições...