O significado das manifestações

É uma amarga ironia que o principal motivo (entre muitos) — a tragédia sanitária — para ir às ruas exigir o impeachment de Jair Bolsonaro seja também o principal motivo para ficar em casa.

Que risco é maior: ir às ruas, provocando aglomerações perigosas, que causarão mortes, ou ficar em casa calado enquanto Bolsonaro comete livremente barbaridades, maximiza o número de mortes e destrói a democracia? A resposta a esse dilema não é óbvia, há diferentes pontos de vista.

Mas, no sábado passado, depois de um ano de imobilismo e raiva contida, boa parte da sociedade brasileira chegou à conclusão de que Jair Bolsonaro é um risco ainda maior do que o vírus. E foi às ruas em um volume que não se via há anos.

A derrota de Bolsonaro é avassaladora e indiscutível. As ruas já não lhe pertencem. A rejeição ao presidente é colossal, inegável, e muito maior do que o apoio. A máquina de fake news bolsonarista não conseguiu criar uma narrativa para negar o que todo mundo viu.

Ficou mais difícil para Bolsonaro impedir a punição de Pazuello. Ficou mais fácil para as Forças Armadas e para a Polícia Federal resistir à pressão do presidente. Ficou mais fácil para a CPI fazer seu trabalho. Ficou mais difícil mentir à CPI sem ser preso. Ficou mais difícil (e mais caro) para o centrão apoiar o presidente e barrar o impeachment. Ficou mais difícil (e caro) para Augusto Aras arquivar denúncias. A reeleição de Bolsonaro, e mesmo sua chegada ao segundo turno, ficou mais difícil.­

Não se sabe o que Bolsonaro fará para se recuperar. Mas se sabe que o que ocorreu no sábado leva o jogo para outro patamar. E, agora que o tabu de ir às ruas para protestar caiu por terra, a porteira está aberta. Haverá novas manifestações.

E serão maiores.

Ultimas notícias

O conselheiro: por que Bolsonaro dá trânsito livre a Malafaia no Planalto

Em meio a uma rodada de insultos durante a CPI da Covid-19 no Senado, veio à baila o nome do pastor carioca Silas Malafaia,...

Datas: Carlos Langoni, Raul de Souza e Marco Maciel

A modernização do Banco Central brasileiro deve muito ao economista Carlos Langoni. Em 1979, então diretor da instituição, ele ajudou a elaborar a Selic,...

Uma ponta não fecha

Quem se debruça agora sobre a condução que Jair Bolsonaro vem dando aos desafios da pandemia conclui que o próprio presidente melhorou as condições...

Partidos de centro tentam recuperar eleitores que migraram para Bolsonaro

Desde a redemocratização do país, as eleições presidenciais foram sempre polarizadas entre candidatos de centro (PSDB) ou centro-direita (Fernando Collor) e algum adversário do...

Refugiados Venezuelanos já são 4,6 milhões na América Latina

O drama dos refugiados venezuelanos só aumenta. Em 2020, eram 4,6 milhões de cidadãos venezuelanos refugiados na América Latina. No ano em que a...