O terremoto Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro demitiu nesta segunda, 29, o ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, e pensa em substituí-lo pelo atual chefe da Casa Civil, general Braga Neto, ou o ministro da Secretaria de Governo, general Luiz Ramos. A exoneração foi uma surpresa para Azevedo e Silva. 

Com a mudança, Bolsonaro pretende abrir espaço no Palácio do Planalto – onde funciona a Casa Civil e a Secretaria de Governo – por um político, para melhorar a relação do governo com o Congresso.

Uma hipótese em estudo é colocar Braga Neto na Defesa, Ramos na Casa Civil e um político já de confiança de Bolsonaro na Secretaria Geral. Se esta troca for efetivada, o novo ministro responsável pela relação política do governo poderia ser o ministro de Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho (ex-deputado federal do PSDB), ou o ministro das Comunicações, Fabio Faria, deputado  federal do PSD. 

Em dois anos como ministro comandante das Forças Armadas, Azevedo e Silva havia se esforçado em evitar a politização dos quarteis, contrariando o tom radical de Bolsonaro. É impossível não enxergar na troca uma intervenção direta do presidente nas tropas. Tanto Braga Neto, quanto Ramos são leais a Bolsonaro. O escolhido teria como missão colocar as Forças Armadas a serviço da candidatura de reeleição do presidente. 

Foi Ramos, por exemplo, que convenceu o Alto Comando, contra a vontade de Azevedo e Silva, a aceitar a indicação do general Eduardo Pazuello no Ministério da Saúde. Dez meses depois, Pazuello saiu como o principal responsável pela catastrófico combate à Covid-19. A aliados, Azevedo e Silva confidenciou que havia sido um erro o Exército ter cedido a Bolsonaro.

A Covid foi o ponto de inflexão na relação do presidente com o ministro da Defesa. Em março, Azevedo e Silva postou um vídeo considerando o vírus “uma guerra, a maior da nossa geração”. Esse discurso foi o antípoda do tom do presidente, que desde o primeiro dia minimizou a pandemia e depois boicotou os esforços para encomendar vacinas.

O momento mais tenso ocorreu em junho de 2020, quando o presidente fez uma ameaça clara de intervenção militar no Supremo Tribunal Federal. De acordo com dois generais da ativa, Azevedo e Silva disse ao presidente que o Exército não faria uma intervenção nos moldes imaginados por Bolsonaro.    

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

TCU pede que Lewandowski reveja decisão que beneficiou Joesley e JBS

O Tribunal de Contas da União (TCU) pediu ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski que reconsidere duas decisões tomadas por ele...

Centrão ou Guedes: meta de Bolsonaro é não escolher entre um dos lados

Acossado pela pandemia de Covid-19, a crise econômica e a queda de popularidade, o presidente Jair Bolsonaro terá de arbitrar uma disputa entre dois...

A recidiva

Editorial de O Estado de S. Paulo (17/4/2021) O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, por 8 votos a 3, anular as condenações impostas ao ex-presidente...

Secretaria de Saúde de São Paulo acusa parlamentares de invadirem hospital

A Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo afirmou, em publicação nas redes sociais, que o deputado federal Kim Kataguiri (DEM-SP) e os deputados...

Não basta a China (por Cristovam Buarque)

No excelente livro “Brasil, construtor de ruínas: Um olhar sobre o país, de Lula a Bolsonaro” a jornalista escritora Eliane Blum escreveu que: “Como...