Outubro de 2022 é logo ali, mas parece ainda tão distante

Fora países de regime totalitário como China, Rússia, Coreia do Norte e Cuba, por exemplo, onde mais seria possível ao presidente da República ou ao chefe de Estado demitir o ministro da Defesa e substituir os comandantes do Exército, Marinha e Aeronáutica sem dar nenhuma satisfação aos seus governados?

Foi o que aconteceu por aqui esta semana. Cobra-se desde então que o presidente Jair Bolsonaro explique por que assim de repente, sem prévio aviso, despachou o general Fernando Azevedo e Silva, da Defesa, durante uma conversa de cinco minutos, e forçou em seguida a saída dos comandantes das Forças Armadas.

A resposta tem sido o silêncio. Na melhor tradição das ditaduras, aconteceu uma troca de peças servida como reforma ministerial  e Bolsonaro se recusa a dizer por quê. O ex-presidente Lula afirmou que não vê nada demais nisso. Mas sua opinião não deve ser lida ao pé da letra. Lula quer que Bolsonaro se estrepe.

Tudo o que se sabe a respeito até agora deriva de informações vazadas a conta-gotas por gente próxima a Bolsonaro, e de deduções feitas por quem se dedica a analisar a trajetória do governo. Desconsidera-se a força do acaso na História. O ser humano depende de narrativas para entender o mundo.

A narrativa mais comum é que acuado pela pandemia, o Centrão atrás de mais cargos, o medo do impeachment e da traição de quem antes o apoiava, e o desastre da economia que só faz aumentar o número de desempregados, Bolsonaro procurou consolo junto aos fardados e não obteve. Aí chutou o pau da mesa.

Continua após a publicidade

O que ele batizou de “meu Exército” não pareceu disposto a bancar a aventura de entornar o caldo para que governasse com poderes discricionários. O general Edson Leal Pujol, comandante do Exército, não era o general Eduardo Villas Bôas, ex-comandante e conselheiro de Bolsonaro quando candidato.

Villas Bôas não teve vergonha de pressionar o Supremo Tribunal Federal para que negasse um habeas corpus que permitiria a Lula disputar as eleições de 2018 onde o favorito era ele, não Bolsonaro. Pujol cumprimentou Bolsonaro presidente tocando com o seu o cotovelo dele e disse que política não combinava com farda.

Com a farda do brigadeiro novo comandante da Força Aérea Brasileira, combina, sim. O brigadeiro é bolsonarista, e apressou-se a tratar o presidente como supremo comandante das Forças Armadas, o que o deixou empolgado. Mas o general Paulo Sérgio, novo comandante do Exército, faz mais o estilo de Pujol.

O Estado Maior do Exército deu um jeito de empurrá-lo goela abaixo de Bolsonaro que, se confrontado, costuma miar fininho. Vida que segue, por ora. Ressalte-se: por ora. O desespero do presidente só tende a crescer com os resultados negativos colhidos no desempenho no cargo e a conduta errática do seu governo.

Outubro de 2022 é logo ali e, no entanto, ainda está tão longe.

Continua após a publicidade

Artigo anteriorFrase do dia
Próximo artigoCandidato a virar jacaré

Ultimas notícias

Ameaçado por Bolsonaro, Randolfe é indicado para integrar CPI da Covid-19

Alvo do presidente Jair Bolsonaro, que falou em “ter que sair na porrada” com ele, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) será indicado por seu...

CPI-zinha cara

Não é atribuição do Congresso fiscalizar governadores e prefeitos, não é possível tratar 27 governadores e 5.570 prefeitos como se fossem uma coisa só,...

Em meio a tensões envolvendo Ucrânia, Biden propõe cúpula a Putin

Em telefonema nesta terça-feira, 13, o presidente americano, Joe Biden, propôs ao presidente russo, Vladimir Putin, a realização de uma cúpula bilateral nos próximos...

Pentágono confirma veracidade de vídeos sobre OVNI na costa da Califórnia

O Pentágono confirmou nesta terça-feira, 13, a veracidade de vídeos que mostram objetos voadores não identificados zumbindo sobre navios de guerra da marinha americana...

Senador pede explicações sobre campanhas publicitárias contra Covid-19

O senador Fabiano Contarato (Rede-ES) protocolou um pedido de informações dirigido ao ministro das Comunicações, Fábio Faria, sobre as campanhas publicitárias desenvolvidas pela pasta...