Para a grande maioria, religião não deve influenciar política de governo

A grande maioria dos brasileiros (72,8%) acredita que a religião não deve influenciar as políticas adotadas pelo governo, segundo levantamento feito pelo instituto Paraná Pesquisas em abril exclusivo para VEJA. Apenas 22,1% afirmam que deveria haver influência religiosa no Estado e 5,1% não souberam ou não quiseram opinar.

Os maiores percentuais entre aqueles que são contra interferência da religião em questões do estado foram registrados entre aqueles que têm ensino superior (75,8%), moradores do Sul (75,5%) e Sudeste (75,4%) e mulheres (74,2%).

Já a maior adesão à tese de que a religião pode, sim, influenciar políticas de governo foram detectadas entre os residentes nas regiões Nordeste (25,7%) e Centro-Oeste (25,7%), entre quem tem ensino fundamental (25,6%) e entre os homens (23,4%).

!function(e,t,s,i){var n=’InfogramEmbeds’,o=e.getElementsByTagName(‘script’),d=o[0],r=/^http:/.test(e.location)?’http:’:’https:’;if(/^/{2}/.test(i)&&(i=r+i),window[n]&&window[n].initialized)window[n].process&&window[n].process();else if(!e.getElementById(s)){var a=e.createElement(‘script’);a.async=1,a.id=s,a.src=i,d.parentNode.insertBefore(a,d)}}(document,0,’infogram-async’,’//e.infogr.am/js/dist/embed-loader-min.js’);

Uma das críticas que se fazem ao presidente Jair Bolsonaro é ao excessivo peso que a religião tem adotado em questões de estado, sendo que a principal delas é o fato de ele ter dito que vai indicar para ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) – na vaga de Marco Aurélio Mello, que se aposenta em julho deste no – um nome “terrivelmente evangélico”.

A utilização da religião como critério também não encontra respaldo na opinião pública, segundo a mesma pesquisa: apenas 23,9% apoiam essa tese, enquanto 40,7% discordam e 28% se dizem indiferentes.

Continua após a publicidade

As maiores discordâncias foram registradas entre os jovens de 16 a 24 anos (44,7%), mulheres (44,5%) e moradores do Nordeste (43,2%). Já as maiores concordâncias estão entre os homens (28%), moradores do Norte e Centro-Oeste (27,5%) e quem tem o ensino fundamental (26,2%).

!function(e,t,s,i){var n=’InfogramEmbeds’,o=e.getElementsByTagName(‘script’),d=o[0],r=/^http:/.test(e.location)?’http:’:’https:’;if(/^/{2}/.test(i)&&(i=r+i),window[n]&&window[n].initialized)window[n].process&&window[n].process();else if(!e.getElementById(s)){var a=e.createElement(‘script’);a.async=1,a.id=s,a.src=i,d.parentNode.insertBefore(a,d)}}(document,0,’infogram-async’,’//e.infogr.am/js/dist/embed-loader-min.js’);

Na edição desta semana, VEJA publicou reportagem que mostra que, com base nesse critério religioso, os favoritos para a vaga são o advogado-geral da União, André Mendonça, que é pastor da Igreja Prebisteriana, e o presidente do Superior Tribunal de Justiça, Humberto Martins, que é adventista – leia a reportagem aqui.

 

 

 

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

PM do RJ decide que Queiroz pode voltar a andar armado

Denunciado pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (Republicanos-RJ) no esquema das rachadinhas do gabinete do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) na Assembleia Legislativa fluminense,...

Carta com pó suspeito é enviada ao Senado

Cartas com um pó suspeito e em formato de coelho chegaram em gabinetes de parlamentares no Senado, gerando alergia em funcionários da Casa.  Segundo mensagem...

Huck sedia encontro para tentar afastar Maia do PSD de Kassab – e de Lula

O apresentador Luciano Huck pode até não se candidatar à Presidência da República na eleição de 2022, mas já participa ativamente de articulações políticas...

A lógica do depoimento do representante da Pfizer

A empresa americana Pfizer deve declarar que fez contato com o governo Bolsonaro disponibilizando vacinas no início do segundo semestre de 2020. A carta divulgada...

Cresce o risco de um “apagão” nos serviços públicos federais

Não vai ter Censo, verbas para proteção ambiental, pesquisa, ciência e tecnologia foram cortadas à metade, 69 universidades federais prevêem redução ou paralisação total...