Perdeu, Bolsonaro. Doria venceu a “guerra das vacinas”

A sexta-feira, 26, começou com o governador João Doria ao vivo nas televisões e rádios anunciando a boa nova. O Instituto Butantan desenvolveu uma vacina totalmente nacional, a Butanvac, e avisou que entraria hoje mesmo com um pedido de autorização da Anvisa para os testes em humanos. 

De tarde o ministro Marcos Pontes, ladeado pelo ministro Marcelo Queiroga, anunciou que o Ministério entrou na quinta, 25, com um pedido na Anvisa para os testes clínicos de uma vacina que ele nem soube bem explicar o que era.

Ou seja, o presidente Jair Bolsonaro resolveu entrar de vez na narrativa da vacina. Como o país já está acostumado, ele demorou muitos meses para entender o óbvio: que a vacinação e a recuperação da economia andarão de mãos dadas nesta crise interminável. Na verdade, ainda há dúvidas se entendeu. Mas tenta correr atrás dos fatos.

Bolsonaro manteve o ataque às medidas restritivas, sempre com o temor de que a economia retrocedesse muito e que o desemprego aumentasse. Isso é sempre fatal para um governo. Primeiro vem a crise econômica, depois agrava-se a política. Não tem muito tempo e vimos como acabou sendo fatal para o governo Dilma Rousseff.

Não houve só uma questão ideológica envolvida, mas um cálculo eleitoral.  A preocupação com a reeleição é a obsessão número 1 do presidente e de seus aliados mais próximos.

O presidente tem o direito de buscar fazer política. Mas sua aposta contra os adversários políticos levou ao agravamento da tragédia sanitária com 300 mil mortos. Foi só a popularidade dele cair e o número de pessoas favoráveis à vacinação aumentar na pesquisa, que Bolsonaro mudou o discurso.

Doria já venceu esta narrativa. O governador sempre bateu na tecla da vacinação e da ciência. E nesse momento, nove em cada dez pessoas vacinadas no Brasil receberam a Coronavac que foi atacada violentamente pelo presidente Bolsonaro. E mais: as famílias comemoram quando os seus mais velhos são vacinados. Muita gente na rede social agradece ao Butantan, à Ciência.

cleardot.gifA guinada no discurso do presidente – depois do jacaré e outras inacreditáveis asneiras, ele afirmou que 2021 seria o ano da vacinação no Brasil – veio somente, vejam vocês, após uma pesquisa de opinião. Mas não era o presidente que não acreditava nelas?

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

Flávio Bolsonaro representa contra Kajuru no Conselho de Ética do Senado

O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) protocolou nesta segunda-feira, 12, uma representação contra o também senador Jorge Kajuru (Cidadania-GO) no Conselho de Ética da Casa....

Nunes Marques é sorteado relator de impeachment de Alexandre de Moraes

O ministro Nunes Marques, do STF (Supremo Tribunal Federal), foi sorteado nesta segunda-feira, 12, relator da ação protocolada pelo senador Jorge Kajuru (Cidadania-GO), que...

Atirador deixa ao menos um morto em escola nos EUA

Uma pessoa morreu e outra, um policial, ficou ferida após a ação de um atirador em uma escola em Knoxville, no estado americano do...

Bolsonarismo, conservadorismo e liberalismo (Por Denis Lerrer Rosenfield)

Jair Bolsonaro, em sua eleição, conseguiu encarnar a força do antilulopetismo, congregando em torno de si três correntes de ideias que, naquele então, apareceram...

Conversinha impublicável

A conversa telefônica entre o presidente Bolsonaro e o senador Jorge Kajuru é espantosa por muitos motivos. Primeiro, claro, pelo teor. O que se ouve...