Preso na Lava Jato, pai de Dr. Jairinho toma posse como deputado no Rio

Preso na Operação Furna da Onça – braço da Lava Jato no Rio de Janeiro – suspeito de receber 2,8 milhões de reais em propina, o policial militar Jairo de Souza Santos, o Coronel Jairo (Solidariedade), de 71 anos, tomou posse nesta quarta-feira, 2, como deputado estadual na Assembleia Legislativa (Alerj). Ele é pai do vereador Dr. Jairinho, preso pela morte do enteado Henry Borel. Jairo era suplente do deputado Rodrigo Bacellar (Solidariedade), que assumiu a Secretaria estadual de Governo na gestão de Cláudio Castro (PL).

Alvo da Polícia Federal em novembro de 2018, Coronel Jairo ficou preso por dois anos e oito meses. O agora deputado foi apontado nas investigações por ser um dos integrantes da quadrilha do ex-governador Sérgio Cabral (MDB). De acordo com o Ministério Público Federal, a tarefa de Coronel Jairo na Alerj era para “a prática de crimes”, com indicações de pessoas ligadas a ele politicamente para trabalharem no Departamento de Trânsito (Detran), que fraudavam provas para emissão de carteira de habilitação.

No mês anterior à prisão, Coronel Jairo conquistou 24.620 votos e ficou na suplência da vaga na Alerj. Naquela eleição, ele teve o apoio do clã Bolsonaro e também pediu votos para o então candidato ao Senado, Flavio Bolsonaro (Patriota-RJ), filho mais velho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Com influência eleitoral na Zona Oeste da Capital, o deputado foi um dos investigados na CPI das Milícias, em 2008, que pediu o indiciamento de mais de 200 pessoas acusadas de envolvimento com grupos paramilitares. Coronel Jairo chegou a ser citado por um dos integrantes de uma milícia, mas a comissão não comprovou nada contra o parlamentar.

Na prisão em Bangu 8, Coronel Jairo sofreu de depressão. O deputado está solto desde dezembro de 2019 por causa de um habeas corpus e não tem impedimentos legais para assumir o cargo. O assessor de Cabral, Sérgio de Castro Oliveira, o Serjão, segundo os procuradores, fazia os pagamentos de propina ao Coronel Jairo. A investigação comprovou que a “mesada” após a quebra de sigilo telefônico do deputado, que mostrou várias ligações de Jairo para Serjão, além de uma planilha dos doleiros do ex-governador com o nome “Jairo”.

No entanto, uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) neste ano fez com que o caso recomeçasse praticamente do zero. A Segunda Turma do STF remeteu o processo do também deputado estadual  André Corrêa (DEM), um dos réus, à Justiça Eleitoral. Como isso, todos os processos, que incluem ainda outros parlamentares, seguiram para o Tribunal Regional Eleitoral do Rio (TRE-RJ).

Ultimas notícias

Siga o dinheiro

Bolsonaro sabia. Aliado do governo, o deputado Luis Miranda (DEM-DF) afirmou ter levado a denúncia sobre um esquema de corrupção envolvendo a compra da...

Projeto sobre exploração de terras indígenas não vai ajudar o Brasil

A Câmara dos Deputados está prestes a votar um projeto de lei que representa um verdadeiro retrocesso para o país. O PL 490/2007, que...

Voto impresso vira batalha em enquete do Senado; não vence a disputa

Uma enquete de 2018 na página do Senado sobre a adoção ou não do voto impresso nas urnas eletrônicas brasileiras figura como a mais...

Bolsonaro volta a ecoar Osmar Terra ao criticar lockdown

Bolsonaro voltou a repetir os argumentos usados pelo deputado governista Osmar Terra para criticar o lockdown. Durante encontro com apoiadores no Palácio da Alvorada, nesta...

Bolsonaro elogia os EUA por investigarem ‘origem do vírus’

Durante conversa com apoiadores no Palácio da Alvorada, nesta quarta, Bolsonaro elogiou os Estados Unidos por investigarem a “origem” da Covid-19. “O Senado americano está...