Queiroga diz que substituto de Luana Araújo deve sair até sexta-feira

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, foi instado há pouco a responder na CPI da Pandemia sobre o inevitável assunto da passagem relâmpago da infectologista Luana Araújo pela Secretaria Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19, para a qual a médica sequer chegou a ser nomeada.

A pasta segue sem comando, como mostrou o Radar nesta segunda-feira. Mas Queiroga disse à comissão que deve apresentar um nome para comandar a secretária até a próxima sexta-feira. Luana depôs à comissão na semana passada e disse ter sido informada pelo ministro que sua nomeação não “passou” pela Casa Civil da Presidência.

“Não é fácil encontrar quadros que queiram assumir responsabilidades, sobretudo numa época dessa. Nós vamos, em prazo curto, colocar um titular na pasta, para me ajudar nessa função. É isso que eu vou fazer”, declarou Queiroga.

Questionado pelo relator, Renan Calheiros, se há pressa para ocupar o cargo para a secretaria, criada em decreto do presidente Jair Bolsonaro no dia 10 do mês passado, o ministro respondeu que a pressa é inimiga da perfeição. E negou que a ausência de chefia na secretaria traga prejuízos ao combate à pandemia, já que ele e os outros secretários do ministério assumem este papel.

“Na hora que tivermos um nome que preencha os critérios, esse nome será colocado”, disse. Sobre o perfil para substituir Luana, que ficou apenas nove dias no posto, informalmente, ele disse querem alguém “que tenha espírito público, que tenha qualificação técnica, que conheça o Ministério da Saúde”.

“E que seja capaz de me ajudar no combate à pandemia, harmonizar a relação entre os médicos e que tenha, sobretudo, dedicação e espírito público, como eu tô tendo à frente da pasta, desde o dia que eu assumi essa função”, complementou.

Sobre a dispensa da infectologista, o ministro disse que o nome dela “começou a sofrer muitos resistências” por conta das divergências em temas  tratados na CPI que motivam divergências na classe médica. E assumiu para si o ato “discricionária” de não efetivá-la no cargo, assim como o presidente Bolsonaro pode demiti-lo na hora que quiser.

“E eu entendi que, naquele momento, a despeito da qualificação que a doutora Luana tem, não seria importante a presença dela para contribuir para a harmonização desse contexto”, comentou Queiroga.

Ultimas notícias

Avanço de variante Delta levanta alerta em Israel sobre nova onda de casos

Pelo segundo dia seguido, Israel ultrapassou a marca de 100 novas infeções pelo coronavírus. Na segunda-feira, 21, foram 125 pessoas, o maior número em...

Quem é o escolhido de Bolsonaro para comandar o Meio Ambiente

Decreto do presidente Jair Bolsonaro publicado há pouco em edição extra do Diário Oficial da União oficializou a demissão, a pedido, de Ricardo Salles...

Criador do antívirus McAffe é encontrado morto em prisão de Barcelona

John McAfee, criador do programa de antivírus para computadores que leva seu sobrenome, foi encontrado morto nesta quarta-feira, 23, em uma cela em Barcelona,...

‘Governo vai desmoronar’, diz Aziz às vésperas de depoimento sobre Covaxin

Presidente da CPI da Pandemia, o senador Omar Aziz (PSD-AM) disse a interlocutores estar convicto de que a comissão de inquérito chegou enfim a...

Mudanças climáticas farão milhões de vítimas, diz relatório da ONU

Um esboço de um relatório do Painel Intergovernamental sobre as Mudanças Climáticas (IPCC), um órgão de caráter consultivo da Organização das Nações Unidas para...