Sem impeachment, com CPI (por João Bosco Rabello)

Não é a primeira vez que o Supremo Tribunal Federal determina a instalação de uma CPI para investigar atos do Executivo. Já ocorrera em 2005, na CPI dos Bingos, e em 2007, para investigar o chamado apagão aéreo. No primeiro caso, no Senado; no segundo, na Câmara, que tinham por presidentes, respectivamente, o senador Renan Calheiros (MDB), e o deputado Arlindo Chinaglia (PT).

Em ambos os casos, prevaleceu o direito da minoria que preenchera os três quesitos necessários à instalação de uma CPI: um terço das assinaturas de parlamentares, objeto de investigação definido e prazo determinado de funcionamento, o que se repete agora. Pela jurisprudência do Supremo, nesse caso, não cabe decisão em contrário do presidente da Casa legislativa – para rejeitar ou protelar o pedido.

O ministro Luís Roberto Barroso, portanto, não fez mais do que acatar a jurisprudência da Corte, ilustrando-a com voto vitorioso do ex-decano Celso de Mello determinando a instalação na Câmara da CPI do Apagão Aéreo. Esse histórico indica que a decisão de Barroso deverá ter endosso do colegiado, apesar de restrições de alguns ministros que argumentam com uma suposta inconveniência do momento de pandemia.

A lamentar no caso presente apenas a renovada incapacidade do Legislativo de resolver questões políticas no plano interno. Os frequentes recursos ao STF acabam por prejudicar o processo político e distorcer aos olhos do público o papel do Supremo, muitas vezes confundido com o do legislador. O STF age se e quando provocado.

No terreno da política, a aliança com o centrão, que elegeu Rodrigo Pacheco e Arthur Lira para as presidências de Senado e Câmara, nessa ordem, visa a garantir as reeleições do presidente da República e dos parlamentares que integram o bloco. Para tal objetivo o compromisso maior é o de evitar um eventual processo de impeachment. A CPI não estava no contrato.

Por essas razões, o centrão ganhou direito não só de integrar a estrutura de governo, processo que caminha a passos lentos, como orientar decisões estratégicas capazes de influir na meta eleitoral que os une ao governo. Esse contexto explica parte da reforma ministerial recente que expurgou do primeiro escalão de Bolsonaro os ministros das Relações Exteriores e da Saúde – este último uma sólida ameaça eleitoral diante do insucesso na gestão da pandemia.

Continua após a publicidade

Mais que isso, o bloco aliado impôs uma intervenção na Saúde ao obter, além da demissão do general Eduardo Pazuello, a submissão do presidente a um comitê de gestão da crise da pandemia. Não o fez necessariamente por virtude, mas por ver na continuidade da ineficiência de Pazuello – e, por extensão, de Bolsonaro – na pasta, uma ameaça concreta para as eleições de 2022.

A oposição, porém, não tem o impeachment como meio exclusivo de inviabilizar a reeleição de Bolsonaro. A CPI, ao contrário do impeachment, não está sob o controle discricionário dos presidentes do Legislativo, não cabendo a ambos rejeitar ou protelar os pedidos para sua instalação, uma vez cumpridos os requisitos legais. Foi o que decidiu Barroso, instado a interpretar a Constituição.

Aos governos não só é legítimo, como é um dever, evitar CPIs. Mas para isso é necessário exercer a política, ao que se recusa desde o primeiro dia do mandato o presidente da República. Após uma convivência deliberadamente hostil ao parlamento, na extensão da criminalização da política decretada pela Lava Jato, a ele se rendeu quando se viu também alcançado por investigações, numa aliança de socorro a que recorrem governos fragilizados.

Uma aliança em meio ao mandato para evitar o pior sempre encontra governos com poder de barganha reduzido. No caso atual, agravado pela gestão equivocada da pandemia.

Não à toa, a CPI em vias de se instalar se propõe a investigar exatamente as ações do governo em oposição às diretrizes da Organização Mundial da Saúde (OMS), adotadas pelos governadores.

Se diz que de uma CPI se sabe como começa, mas não como termina. A essa máxima se deve acrescentar que não termina bem, sem produzir danos políticos, legais e morais de grave extensão.

João Bosco Rabello escreve no Capital Político. Jornalista há 40 anos, iniciou sua carreira no extinto Diário de Notícias (RJ), em 1974. Em 1977, transferiu-se para Brasília. Entre 1984 e 1988, foi repórter e coordenador de Política de O Globo, e, em 1989, repórter especial do Jornal do Brasil. Participou de coberturas históricas, como a eleição e morte de Tancredo Neves e a Assembleia Nacional Constituinte. De 1990 a 2013 dirigiu a sucursal de O Estado de S. Paulo, em Brasília. Recentemente, foi assessor especial de comunicação nos ministérios da Defesa e da Segurança Pública.

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

“Acabou a mamata!”, proclamou Jair Bolsonaro

Resistente a compartilhar o poder, Lula aceitou um esquema em que empresas estatais, como a Petrobras, faziam compras desnecessárias e/ou superfaturadas e desviavam dinheiro...

Facebook envia à CPI vídeo apagado de reunião com gafes de Guedes e Ramos

O Facebook atendeu nesta segunda-feira a um requerimento do senador Randolfe Rodrigues e enviou à CPI da Pandemia no Senado um vídeo da reunião...

Reforma política pode instituir mandatos coletivos, hoje informais

A proposta de reforma política que está em debate em uma comissão na Câmara dos Deputados pode finalmente instituir na legislação eleitoral os chamados...

Escalada de violência: Palestinos disparam mísseis em Jerusalém

Manifestantes palestinos  dispararam ao menos sete mísseis contra áreas israelenses de Jerusalém na tarde desta segunda-feira (10). A violência fez com que moradores da...

Depoimento de Wajngarten será o mais impactante da semana, diz Randolfe

A CPI da Covid-19 entra em sua segunda semana de oitivas prometendo ser importante para que os senadores possam aprofundar as investigações. Para o senador...