Senado vota nesta quinta para derrubar decretos de armas de Bolsonaro

Incluídos na pauta do Senado desta quinta-feira, projetos que visam derrubar decretos de armas do presidente Jair Bolsonaro viraram alvo de pressões dentro da Casa. Relator das propostas, o senador Marcos do Val, que é instrutor de tiro, já avisou que vai recomendar a manutenção dos decretos, editados em fevereiro. A oposição, que conseguiu marcar a votação para esta semana em reunião de líderes na segunda, está confiante que vai conseguir derrotá-lo.

Ciente das condições desfavoráveis, o senador tenta convencer o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, a retirar os projetos de pauta, e busca o apoio da base aliada do governo. Mas o líder da oposição, Randolfe Rodrigues, disse ao Radar que uma eventual retirada seria uma quebra de acordo inadmissível e que não vê chances para que isso ocorra. A pressa tem motivo: os decretos entram em vigor na próxima segunda-feira.

Leia também:

Ultimas notícias

Irã classifica apagão em usina nuclear de Natanz como “ato terrorista”

A usina atômica de Natanz, no Irã, sofreu um blecaute na manhã deste domingo. As autoridades iranianas classificaram o incidente como um ato de...

Grupos religiosos protestam contra decisão do STF sobre cultos e missas

Grupos religiosos fizeram neste domingo um protesto em frente ao Congresso Nacional contra a recente decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de garantir a...

Igreja Católica da Austrália paga indenização milionária a vítima de abuso

Um homem de 58 anos cuja identidade não foi revelada vai receber uma indenização de 1,5 milhão de dólares australianos (cerca de 6,5 milhões...

O que Bolsonaro é, segundo Marta Suplicy

O que disse Marta Suplicy, ex-prefeita de São Paulo, sobre o presidente Jair Bolsonaro em entrevista ao programa  Manhattan Connection, na TV Cultura. https://youtube.com/watch?v=iq_HayFJl30&feature=oembed Mais lidasBrasilBrasilA...

Pandemia não anula a Constituição

Editorial de O Estado de S. Paulo (11/4/2021) Nenhuma circunstância excepcional, nem mesmo a maior crise de saúde em um século, justifica que se ignore...