Senadores não aceitarão permanência de Ernesto Araújo

A semana começa com a temperatura máxima em Brasília em torno do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo. Os senadores demonstraram – em notas e manifestações nas redes sociais – que não aceitarão a última ofensiva. Eles estão em pé de guerra.

Uma das opções estudadas é bloquear todos os pedidos do Itamaraty na Casa até que haja a troca do seu titular. Mas os recados estão chegando cada vez mais fortes e, quanto mais o presidente Bolsonaro demorar, pior ficará. Os senadores programam entrar no STF com um pedido de impeachment do ministro.

No fim de semana, o tiroteio digital contra os senadores por parte de bolsonaristas atingiu o auge quando o próprio chanceler tuitou a insinuação de que a presidente da Comissão de Relações Exteriores, Katia Abreu, (PP-TO)  estaria fazendo lobby pelos chineses no 5 G. A senadora desmentiu e os colegas a apoiaram.

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, ( DEM-MG)  disse que o ataque atinge todo o Senado. Vários colegas se manifestaram. A senadora Simone Tebet (MDB-MS)  respondeu no Twitter dizendo que a insinuação atinge a própria democracia. “Ernesto e democracia não andam juntos”.

Depois do gesto de supremacistas brancos usado pelo assessor internacional Filipe Martins, foi desvendado, graças à jornalista Flávia Oliveira, da Globonews, a citação que o próprio Ernesto Araújo fez no Senado. Ele citou a sigla SPQR “Senatus populusque romanus”, dizendo ser uma homenagem ao Senado, mas a sigla era usada pelo ditador fascista Benito Mussolini e acabou resgatada pelos extremistas de direita nos últimos tempos. 

Não era homenagem, era provocação. O senador Randolfe Rodrigues (Rede- AP) requereu por ofício informações sobre o uso da expressão. Kátia Abreu também protestou contra o fato de Araújo não ter falado nada contra ela na audiência no Senado e depois atacado via Twitter.

Tudo isso só neste último fim de semana, quando não houve trégua nas pressões contra Ernesto Araújo. Os senadores não aceitarão que ele fique, apesar de ele dizer o contrário a interlocutores. E isso é o começo. As pressões contra outros ministros vão crescer também, por parlamentares das duas casas.

Leia também:

  • Tratamento com anticorpos é capaz de proteger contra novas variantes.
  • Vacinação: Brasil é o 15° no ranking em números proporcionais.
  • União Europeia pode bloquear exportação da AstraZeneca.
  • STF se prepara para julgar uma ação decisiva para a quebra de patentes.
  • Anvisa multa empresa que vendeu vacinas para o Ministério da Saúde.
Continua após a publicidade

Ultimas notícias

Irã classifica apagão em usina nuclear de Natanz como “ato terrorista”

A usina atômica de Natanz, no Irã, sofreu um blecaute na manhã deste domingo. As autoridades iranianas classificaram o incidente como um ato de...

Grupos religiosos protestam contra decisão do STF sobre cultos e missas

Grupos religiosos fizeram neste domingo um protesto em frente ao Congresso Nacional contra a recente decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de garantir a...

Igreja Católica da Austrália paga indenização milionária a vítima de abuso

Um homem de 58 anos cuja identidade não foi revelada vai receber uma indenização de 1,5 milhão de dólares australianos (cerca de 6,5 milhões...

O que Bolsonaro é, segundo Marta Suplicy

O que disse Marta Suplicy, ex-prefeita de São Paulo, sobre o presidente Jair Bolsonaro em entrevista ao programa  Manhattan Connection, na TV Cultura. https://youtube.com/watch?v=iq_HayFJl30&feature=oembed Mais lidasBrasilBrasilA...

Pandemia não anula a Constituição

Editorial de O Estado de S. Paulo (11/4/2021) Nenhuma circunstância excepcional, nem mesmo a maior crise de saúde em um século, justifica que se ignore...