Só poderá tomar vacina quem cantar hino na língua do pê de trás pra frente

Depois de negligenciar a negociação de vacinas, desdenhar a origem chinesa, tentar vetar a compra por estados e municípios e valorizar remédios inócuos em vez da prevenção, o presidente Bolsonaro deverá baixar um decreto: só poderá tomar o imunizante quem tiver RG terminado em zero e souber cantar o Hino Nacional na língua do pê. De trás pra frente. Pulando num pé só. E a regra será limitada a quem fizer aniversário no dia 29 de fevereiro.

Sobre a pandemia, Bolsonaro disse na semana passada que “não errou uma”. Pode ser verdade, se você considerar que ele errou todas. Depois dessa fala, cientistas começaram a estudar se pacientes pós-Covid desenvolvem tendência a alucinações.

Publicado em VEJA de 10 de março de 2021, edição nº 2728

Ultimas notícias

Guedes entra no vale-tudo para ficar

O rascunho da Proposta de Emenda à Constituição produzida pelo Ministério da Economia para resolver o impasse sobre a sanção do Orçamento tem o...

Sob pressão internacional, Bolsonaro vai a almoço com diplomata europeu

Pressionado pela comunidade internacional por conta da questão ambiental e do agravamento da crise da pandemia da Covid-19 no país, o presidente Jair Bolsonaro...

Chefe da Secom, Flávio Rocha comunica a ministros que deixará o cargo

Responsável pela Secom, o almirante Flávio Rocha, depois de seguidos problemas na Presidência, bateu o martelo. Vai deixar o órgão que herdou de Fabio...

Ameaçar é crime

Editorial de O Estado de S. Paulo (14/4/2021) O presidente Jair Bolsonaro gosta de falar de liberdade. Em seus discursos, coloca-se como uma espécie de...

Randolfe Rodrigues: ‘A CPI não vai investigar pessoas, mas os fatos’

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) foi o requerente da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid-19, que irá investigar o combate à pandemia do...