Um governo que já era ruim ficará pior

Comemora-se no Itamaraty a saída do embaixador Ernesto Araújo e a nomeação para seu lugar do embaixador Carlos Alberto França, chefe do cerimonial do Palácio do Planalto. Araújo e França têm em comum a falta de maior experiência como diplomata. Nunca comandaram uma embaixada, só têm o título.

Mas França, pelo menos, se dá bem com seus colegas, é considerado por eles um homem educado e bastante reservado. É remota a possibilidade de que sua promoção indique mudanças sensíveis na política externa do país. Quem a define é o presidente Jair Bolsonaro e seu filho Eduardo, o Zero Três, deputado federal.

O novo ministro da Justiça, o delegado da Polícia Federal Anderson Torres, é amigo do senador Flávio Bolsonaro, o Zero Um, e próximo do pai dele desde que foi assessor parlamentar de um deputado na Câmara. Pai e filho poderão contar com Torres para ajudá-los a enfrentar dificuldades com a polícia e a justiça.

A deputada Flávia Arruda, ministra da Secretaria do Governo, é ligada a Arthur Lira, presidente da Câmara, mas não foi escolha dele para o cargo. Muito menos do Centrão que preferia outros nomes. Flávia pesará nada ou quase nada dentro do governo. Não tem estatura para isso. Seu papel será de leva e traz.

É tal a mediocridade da equipe de Bolsonaro que o mais destacado dos seus quadros políticos continuará sendo o deputado Onyx Lorenzoni, ministro da Secretaria-Geral da presidência da República, que já foi chefe da Casa Civil e ministro da Cidadania. Lorenzoni é candidato ao governo do Rio Grande do Sul.

O comentário zombeteiro que correu ontem em Brasília à medida em que um ministro caía e outro trocava de cadeira foi feito em tom de pergunta: não seria o caso de Paulo Guedes finalmente assumir o Ministério da Economia?

Leia também:

  • Bolsonaro escolhe novo chefe do Itamaraty e anuncia outros nomes.
  • Pujol reúne alto comando do Exército para tratar de possível saída.
  • Demissão de Azevedo abre intervenção política de Bolsonaro na área militar.
  • ‘Bolsonaro pediu o cargo’, diz aliado de Fernando Azevedo.
Continua após a publicidade

Ultimas notícias

TCU pede que Lewandowski reveja decisão que beneficiou Joesley e JBS

O Tribunal de Contas da União (TCU) pediu ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski que reconsidere duas decisões tomadas por ele...

Centrão ou Guedes: meta de Bolsonaro é não escolher entre um dos lados

Acossado pela pandemia de Covid-19, a crise econômica e a queda de popularidade, o presidente Jair Bolsonaro terá de arbitrar uma disputa entre dois...

A recidiva

Editorial de O Estado de S. Paulo (17/4/2021) O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, por 8 votos a 3, anular as condenações impostas ao ex-presidente...

Secretaria de Saúde de São Paulo acusa parlamentares de invadirem hospital

A Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo afirmou, em publicação nas redes sociais, que o deputado federal Kim Kataguiri (DEM-SP) e os deputados...

Não basta a China (por Cristovam Buarque)

No excelente livro “Brasil, construtor de ruínas: Um olhar sobre o país, de Lula a Bolsonaro” a jornalista escritora Eliane Blum escreveu que: “Como...