Um ministro insustentável (por João Bosco Rabello)

O ministro da Economia, Paulo Guedes, pode não ter se dado conta da gravidade de sua fala mais recente em que acusa a China de criar o vírus da Covid 19. Verborrágico, o ministro fala em ambientes solenes com a descontração do boleiro de botequim.

Dessa vez foi longe: tomada ao pé da letra, sua manifestação no Conselho de Saúde Suplementar, é uma acusação à China de crime contra a humanidade, pois empregou o verbo inventa, estabelecendo intenção e autoria.

Não satisfeito, disse ainda que os chineses produziram a pior vacina, colocando em dúvida a eficácia da coronavac, justamente a que foi aplicada, até aqui, na maioria dos brasileiros, inclusive nele, Guedes. Mais que isso, mesmo para produzir outra vacina, como a AstraZeneca, dependemos do insumo chinês.

Guedes disse outras impropriedades, como a pregação contra o SUS que tem sido heróico no tratamento dos pacientes de Covid. Porém, nada poderia ser pior do que sua ingerência na questão sanitária em relação à qual pensa como o presidente.

Como não consegue sequer exibir o seu programa para a economia, e esta segue errática e longe do liberalismo que defende, sua visão da pandemia o credenciaria para o ministério da Saúde, onde titulares dizem amém ao presidente da República.

Bolsonaro tem novamente um grave problema pela frente. Assim como não quis demitir o seu chanceler de estimação, Ernesto Araújo, mas teve que fazê-lo, não há mais como sustentar Guedes.

É uma questão de (pouco) tempo para que a bancada do agronegócio, e o próprio setor, veja na demissão de Guedes a única forma de evitar uma crise comercial com o maior parceiro brasileiro e tornar reparável a agressão cometida.

Continua após a publicidade

E, mais uma vez, ficará a contradição de um ministro demitido por vocalizar o pensamento não só presidencial, mas da cúpula de governo. Nenhum colega de ministério entre os presentes na reunião corrigiu Guedes.

O ministro da Economia fornece também conteúdo para a CPI instalada no mesmo dia de sua desastrada fala. Guedes mostra a motivação ideológica que orientou o comportamento do governo frente à pandemia, que explica o negacionismo da doença, o boicote às medidas de proteção como o isolamento e a negligência com a contratação das vacinas.

A negligência que resulta dessa postura não se limitou ao catastrófico número de mortes, embora essa estatística seja macabra e se refira a vidas humanas. Mas a negação matou milhares de empresas que acreditaram em programas como o Pronamp, entre outros.

O dia não era mesmo de discrição no governo. O chefe da Casa Civil, general Luís Ramos, aproveitou a ocasião para confessar a Guedes que tomou a vacina “escondido”, para não contrariar a orientação do presidente da República.

Ramos ficou pior que Bolsonaro, pois este não tomou a vacina que condena. E disse não ter vergonha, pois o fez porque preza a vida e se a ciência a recomenda não seria ele a contestá-la.

Nesse ritmo de revelações estarrecedoras, a CPI pode durar menos do que o previsto para gerar resultados graves.

João Bosco Rabello escreve em https://capitalpolitico.com/

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

Renan sobre Pazuello: “Interrogatório bom busca acusações sobre terceiros”

Investigado por suposta omissão no enfrentamento da pandemia no Amazonas e com uma gestão marcada por polêmicas, o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello é...

O futuro de Flávio e da rachadinha nas mãos de Gilmar Mendes

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), pretende apresentar ainda neste semestre seu voto no caso que decidirá qual instância da Justiça...

Frase do dia

“Essa amplíssima prerrogativa de que dispõem às Casas Legislativas, em que pese a sua indiscutível relevância como instrumento de fiscalização e controle da administração...

Bombardeio israelense derruba prédio que abrigava agências de notícias

As agências de notícias Al Jazeera e Associated Press reportarem que um bombardeio israelense derrubou neste sábado, 15, o prédio que abrigava seus escritórios...

Em plena pandemia, o governo não conseguiu prever… a pandemia

O Ministério da Economia encerrou a semana com a produção de um clássico sobre a capacidade do governo de prever e administrar uma crise. Em...