Urgente, e daí?

Não foi por falta de tempo nem de aviso que governo e Congresso deixaram para resolver a questão do auxílio aos mais pobres na última hora e na base do completo improviso. Já se sabia que a pandemia invadiria o ano de 2021, bem como a concessão do dinheiro de emergência tinha data marcada para acabar.

Isso desde meados do ano passado quando o assunto chegou a ser discutido, algumas propostas apresentadas, mas foram abandonadas porque suas excelências tinham outras prioridades. O presidente da República estava ocupado em brigar com as vacinas e em negar a gravidade da pandemia enquanto o Congresso mergulhava na paralisia em relação ao que realmente interessa à população para se dedicar às futricas internas das eleições das presidências da Câmara e do Senado.

Agora, diante da emergência, no lugar de um plano de cortes de gastos que propiciasse uma folga no Orçamento, cogita-se a transferência da conta para a sociedade na cobrança de imposto, vale dizer na volta da malfadada CPMF.

Ultimas notícias

A deterioração da educação básica

Editorial de O Estado de S. Paulo No mundo inteiro a pandemia precipitou uma crise sem precedentes na educação. O apagão acarretou perdas expressivas de...

O novo ombro amigo de Wilson Witzel na política

Abandonado pelos “amigos” da política, Wilson Witzel encontrou um ombro amigo, quem diria, num aliado de Jair Bolsonaro: o bispo Edir Macedo. Desde 2020 o...

Durante a pandemia, ‘Bolsonaro 2022’ venceu de goleada ‘Fora Bolsonaro’

Sempre que pode,  Jair Bolsonaro reserva uma parte de suas aparições públicas para espetar os advesários. Na sexta-feira 26, durante uma visita ao Ceará,...

Arte do Antonio Lucena

Humor

Tanatocracia (por Gustavo Krause)

A humanidade alcançou conquistas e realizou avanços no campo da ciência e da tecnologia, em espaço de tempo, capaz de desafiar o mais ousado...