Votar pela prisão não é defender a cassação, dizem deputados do conselho

Daniel Silveira (PSL-RJ) abusou das suas prerrogativas como deputado, acabou preso em flagrante e ainda assim pode ter seu mandato salvo por seus colegas, que semana passada, o mantiveram detido, com 364 votos a favor.

Deputados do Conselho de Ética que votaram pela manutenção da prisão de Silveira no plenário, apontam que podem salvar seu mandato no colegiado.

Dos 12 titulares do órgão que confirmaram o voto ‘sim’ para deixá-lo na cadeira, ao menos 3 – nem todos foram procurados por Radar – dizem que, agora, é tudo diferente.

“A manutenção da prisão foi um ato necessário naquele momento. A apreciação no conselho não terá o mesmo ritmo. É outro momento. Teremos que discutir. Não é fácil nunca votar contra um colega”, disse o deputado Cezinha de Madureira (PSD-SP), que é vice-presidente do Conselho de Ética.

“Vamos conversar para ver o que será feito. Temos que ouvi-lo também. Ele disse que já se arrependeu. É preciso levar isso em consideração, mas vamos avaliar”, afirmou Luiz Carlos Motta (PL-SP), também do conselho e que votou por manter o colega preso.

“Uma coisa é votar ele para continuar preso, outra é defender a cassação de seu mandato. Não é necessariamente ter votação pela perda do mandato. Uma coisa é uma coisa. O deputado vai passar por um rito no conselho, terá direito a ampla defesa, ao contraditório. Teremos que ver qual será a posição do relator. Enfim, aguardar a evolução do caso”, salientou Hiran Gonçalves (PP-RR), outro do conselho e pró-prisão de Silveira.

Mauro Lopes (MDB-MG), também do conselho e que votou pela prisão do colega, não tem dúvida de que o deputado bolsonarista tem que perder o mandato.

“Se todos foram conscientes como eu sou, vamos votar para cassar o mandato desse elemento. Não é possível ele conviver no meio de um parlamento que representa o povo. Não pode sentar mais nessa cadeira. Faço questão de continuar no Conselho de Ética para votar pela cassação desse elemento”, ressaltou Lopes.

O deputado mineiro fala em continuar porque o mandato dos atuais conselheiros expiram agora. São dois anos nessa função. Os partidos devem trocar seus representantes.

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

O Brasil dança à beira do precipício

Felizmente, não deu certo. Mas Arthur Lira tentou aprovar, de roldão, a PEC da Impunidade — e chegou perto de conseguir. Mas o assunto não está...

ONU vê envolvimento de Putin em envenenamento de opositor

A Organização das Nações Unidas indicou que as provas encontradas no envenenamento do líder da oposição russa, Alexei Navalny, apontam para um provável envolvimento...

“A democracia brasileira está sob ataque”, diz Fachin na OAB

O ministro Luís Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou nesta segunda-feira, 1º, que “a democracia brasileira está sob ataque”. “Se vamos tratar...

Guedes e os idos de março

Na tragédia Julio Cesar, William Shakespeare descreve as intrigas, ambições e disputas de poder que cercam o general romano e o Senado em 44...

O que Bolsonaro quer

O Brasil se tornou um dos piores países do mundo para se estar durante a pandemia do coronavírus. Não apenas a mortalidade per capita...