Witzel vira réu sob acusação de corrupção e STJ o afasta por mais um ano

A Corte Especial do STJ recebeu, por unanimidade, a denúncia oferecida pela Procuradoria-Geral da República contra o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), por corrupção ativa e passiva e lavagem de dinheiro.

O governador  — que foi afastado do cargo por 180 dias em agosto — teve o afastamento prorrogado por mais um ano, e ficou proibido de voltar ao Palácio das Laranjeiras, residência oficial dos governadores do Rio. Witzel já estava morado em sua própria casa desde setembro.

Com o resultado do julgamento, Witzel tornou-se réu no STJ pelo suposto esquema liderado pelo governador para estruturar uma organização criminosa que movimentou R$ 554.236,50 em propinas pagas por empresários da saúde ao escritório de advocacia de sua esposa.

“Essa talvez tenha sido coisa mais chocante que eu tenha visto nessa pandemia. Ao invés de proporcionar um momento em que as pessoas tentam minimizar essa dor, elas usaram a verba do governo federal em benefício próprio, em um momento equiparativo à guerra, as pessoas usaram o dinheiro em benefício próprio”, disse a subprocuradora-geral da República Lindôra Maria Araújo, durante a leitura da denúncia.

Na acusação, a PGR narrou que o governador liderou, entre março e maio de 2020, três grupos empresariais – que representam quatro empresas – que disputavam o poder no governo do estado mediante o pagamento de vantagens indevidas a agentes públicos.

Esses grupos, segundo os investigadores, lotearam algumas das principais pastas estaduais – a exemplo da Secretaria de Saúde – para implementar esquemas que beneficiassem suas empresas. Em troca do apoio do governador, os empresários firmavam contratos fictícios com o escritório de advocacia de Helena Witzel, o que permitia a transferência indireta de valores pagos por Mário Peixoto e Gothardo Lopes Netto a Wilson Witzel.

A defesa do tucano alegou, primeiramente, que não teve acesso à delação do ex-secretário de Saúde que deu origem à denúncia — e criticou um “crédito demasiado à palavra de delatores”. “Não há prova sequer para o recebimento de uma denúncia contra o governador”, disse o advogado Roberto Podval. 

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

Senador Flávio Bolsonaro se diz alvo de uma nova conspiração

Como o presidente Jair Bolsonaro, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) se diz vítima de uma conspiração. A queixa da vez do Zero Um é...

Insanidade e falta de lucidez (por Cristovam Buarque)

Esta semana comprovou que o presidente não é sano e que a oposição não é lúcida. Em um gesto irresponsável, de voluntarismo e capricho infantil,...

Saúde em primeiro lugar

Primeiro a saúde ou primeiro a economia? – perguntou este blog no Twitter. Respostas de 4.220 leitores:  A saúde – 90,5% A economia – 9,5% Continua após a publicidade

Compra de mansão por Flávio Bolsonaro vira um negócio tarja preta

Pode ser considerado sério, muito menos transparente, um negócio de R$ 6 milhões registrado em cartório em que 18 trechos estão cobertos com tarjas...

A Bolsonaro falta vontade de combater o vírus

Ao presidente Jair Bolsonaro falta vontade para combater a pandemia da Covid. Para ele, melhor que morram os que tiverem de morrer desde que...